Parlamento Europeu vota medidas urgentes perante incerteza de acordo para o Brexit

  • Lusa
  • 10 Março 2019

O Parlamento Europeu vai apreciar esta quarta-feira medidas urgentes de contingência apresentadas por Bruxelas para prevenir a inexistência de um acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia.

O Parlamento Europeu vai apreciar, na quarta-feira, medidas urgentes de contingência apresentadas por Bruxelas para prevenir a inexistência de um acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), analisando ainda os recentes desenvolvimentos do processo.

Numa semana vista como decisiva para o Brexit, os eurodeputados reúnem-se em Estrasburgo, França, com uma discussão sobre o Brexit marcada para quarta-feira, dia em que são também votadas medidas de contingência da Comissão Europeia em áreas como a segurança social, os transportes, as pescas e a mobilidade para ensino e formação, visando minimizar eventuais problemas devido a um desfecho sem acordo.

O próximo dia 29 de março foi a data definida para a saída do Reino Unido do bloco europeu, mas existe uma grande incerteza sobre os termos em que isso irá ocorrer, sendo que o acordo negociado entre Londres e Bruxelas foi rejeitado pelo Parlamento britânico. Espera-se que na próxima terça-feira o Governo da primeira-ministra britânica, Theresa May, submeta à Câmara dos Comuns novamente o acordo, possivelmente com algum apêndice — para evitar uma fronteira entre as duas Irlandas –, a fim de que o documento passe finalmente pelos trâmites parlamentares.

Um dia depois, na quarta-feira, os eurodeputados vão então analisar a decisão que sair desta sessão e apreciar medidas urgentes de contingência que serão adotadas unilateralmente pela UE, de forma temporária, em 30 de março, caso não haja um acordo de saída. As medidas incluem a salvaguarda da segurança social dos cidadãos europeus no Reino Unido e dos cidadãos britânicos na UE que tenham obtido o direito de livre circulação.

Ao nível dos transportes, visam garantir a conectividade rodoviária do transporte de mercadorias entre a UE e o Reino Unido, evitar a interrupção do tráfego aéreo e ainda acautelar perturbações nas exportações de produtos de dupla utilização. Em causa está também a continuação dos programas de cooperação territorial (PEACE IV) entre a República da Irlanda, a Irlanda do Norte e a Escócia e a manutenção do acesso dos navios de pesca da UE às águas do Reino Unido com o estabelecimento de condições de autorização recíprocas.

Estas medidas abrangem ainda o programa de mobilidade para ensino ou formação Erasmus+, de forma a evitar problemas para os atuais participantes, permitindo que os processos iniciados possam continuar. No final de março, serão cerca de 14 mil jovens da UE nesta situação no Reino Unido e ainda sete mil participantes do Reino Unido em países da União.

O Brexit será, inclusive, um dos assuntos que vai dominar a agenda da reunião do Conselho Europeu deste mês, nos dias 21 e 22, encontro que será preparado nesta sessão plenária da assembleia europeia. Estará ainda em foco, na terça-feira, a nova lei da cibersegurança, que prevê regras à escala da UE para produtos, serviços e processos tecnológicos com o intuito de reforçar a segurança dos consumidores.

Também na terça-feira será votada uma resolução (não legislativa) sobre as ameaças relacionadas com o aumento da presença tecnológica chinesa na UE e possíveis medidas preventivas. Ainda neste dia, o Parlamento Europeu vai apresentar medidas para combater a propaganda hostil e as notícias falsas, ao mesmo tempo que se reforça a verificação dos factos e se expõem campanhas de desinformação.

Enquanto na terça-feira será discutida a reforma do sistema de informação sobre vistos nas fronteiras externas da UE, para quarta-feira está marcado um debate sobre a criação de um Fundo Monetário Europeu, que prestará assistência de transição aos países em dificuldades. Ainda em discussão, na quarta-feira, estão as novas regras para reduzir os elevados níveis de crédito malparado dos bancos e para evitar a acumulação, que estabelecem, desde logo, níveis mínimos comuns de cobertura para empréstimos recém-concedidos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento Europeu vota medidas urgentes perante incerteza de acordo para o Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião