Autarcas recorrem a Marcelo para tentar travar CNE

Os autarcas consideram inadmissível a forma como a CNE "desvirtua a lei". ANMP vai pedir audiências urgentes a Marcelo, Ferro e presidente da CNE.

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) considera que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) está a “desvirtuar” a lei ao impor às autarquias proibição de publicidade de obras e outras atividades até as eleições. Manuel Machado decidiu recorrer a Marcelo Rebelo de Sousa para tentar travar a CNE.

A lei foi aprovada em 2015, ainda quando o Parlamento era dominado por uma maioria PSD/CDS. No entanto, uma nota interpretativa da Comissão Nacional de Eleições (CNE) publicada em março tem gerado polémica, principalmente junto dos autarcas. A posição da ANMP foi conhecida esta terça-feira, depois da reunião do conselho diretivo do organismo que representa as 308 autarquias.

A ANMP refere que tendo em conta os três atos eleitorais marcados para este ano, a norma interpretativa da CNE significaria que “ficasse proibida qualquer publicidade institucional no âmbito estritamente municipal, incluindo meras notas informativas sobre a atividade municipal, independentemente da fonte da sua emissão”.

A associação dá até dois exemplos sobre o impacto desta decisão:

  1. “Uma empresa municipal dedicada a atividades culturais ficaria inibida de anunciar ou informar os munícipes da realização de um evento cultural e socialmente relevante para o município.”
  2. “Outra situação exemplar refere-se à execução de fundos comunitários, designadamente no âmbito da regeneração urbana, cuja publicitação das obras respetivas (obrigatória legalmente) parece ficar também impedida por esta interpretação da CNE.”

Na mesma tomada de posição, a associação liderada por Mário Machado acrescenta que sendo as eleições em causa europeias, legislativas e regionais “não se vislumbra na nota informativa qualquer argumento jurídico suficientemente sólido e válido que permita alicerçar a sua posição sobre este assunto de que tais inibições se aplicam também às autarquias locais, como se estivéssemos, e não estamos, perante eleições autárquicas“.

A tomada de posição acontece no mesmo dia em que o PS admitiu vir a mexer na lei. O objetivo é melhorar “o espírito da lei”, justificou o líder da bancada parlamentar do PS, Carlos César, que pondera entregar uma iniciativa legislativa no Parlamento. Fernando Medina, o presidente da maior autarquia do país, defendeu na segunda-feira à noite que o Parlamento deveria intervir por forma a travar esta interpretação da lei conhecida através na nota informativa da CNE.

Além de pôr em causa a aplicação destas restrições ao poder local, a ANMP tem dúvidas que esta interpretação da lei respeite o regime da proporcionalidade. “Em nome de processos eleitorais nacionais, será necessário e exigível que se iniba uma câmara municipal de anunciar e esclarecer os munícipes sobre o andamento dos projetos e assuntos locais?”, pergunta a ANMP.

“À luz do princípio da proporcionalidade, será necessário e exigível cercear a tal ponto os munícipes dos direitos constitucionais de que são titulares, designadamente do direito de serem informados e esclarecidos pelos agentes locais sobre os assuntos que coletivamente lhe dizem respeito?”, acrescenta a instituição.

A ANMP defende que a interpretação é “desproporcionada” e “desconforme” à Constituição. A ANMP considera “inadmissível a forma como se desvirtua a lei”. Tendo em conta a gravidade que atribuiu às orientações da CNE, a ANMP decidiu pedir audiências com “caráter de urgência” ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ao Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e ao presidente da CNE, José Barros.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autarcas recorrem a Marcelo para tentar travar CNE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião