Banco Montepio vai confirmar Dulce Mota como CEO efetiva

De CEO interina a CEO efetiva. Dulce Mota vai ser confirmada pelo Banco Montepio como a presidente da comissão executiva até final do mandado.

Apresentação de resultados do Montepio - 11MAR19
Dulce Mota entre Carlos Tavares (esquerda) e Pedro Ventaneira, durante a apresentação dos resultados do Banco Montepio.Hugo Amaral/ECO 11 março, 2019

Se dúvidas restavam sobre a continuidade de Dulce Mota na liderança do Banco Montepio, elas deverão ficar dissipadas nos próximos meses. É intenção do banco propor a continuidade da ex-ActivoBank enquanto presidente da comissão executiva até final do mandato, apurou o ECO.

Até agora, Dulce Mota era CEO interina do Banco Montepio, funções exercidas por inerência do seu cargo atual de vice-presidente do banco, isto após Carlos Tavares ter deixado de acumular os cargos de CEO e chairman no mês passado para passar a concentrar-se nas funções de presidente do conselho de administração.

O processo de confirmação de Dulce Mota ainda segue os trâmites legais, isto é, o dossiê deverá dar entrada no Banco de Portugal e a proposta ainda terá de ser submetida e aprovada em assembleia geral do banco a realizar até final de maio.

Com isto, põe-se termo a um ano de indefinição na liderança do banco da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG). Carlos Tavares tomou posse em março do ano passado e durante quase um ano acumulou as funções de CEO e chairman, devidamente autorizado pelo Banco de Portugal, isto para dar tempo ao banco para encontrar um nome para liderar o conselho de administração.

Chegaram a estar em cima da mesa os nomes de Álvaro Nascimento (ex-chairman da Caixa Geral de Depósitos) e ainda de João Ermida (antigo gestor do Santander Totta), mas nenhuma das propostas vingou realmente. A solução encontrada passou assim pela passagem de Carlos Tavares a chairman e de Dulce Mota a CEO.

Dulce Mota vai liderar uma comissão executiva composta por Nuno Mota Pinto, José Sequeira Mateus, Pedro Ventaneira, Carlos Leiria Pinto, Helena Costa Pina e Leandro Silva.

O banco registou lucros de 12,6 milhões de euros no ano passado. O resultado duplicou face ao ano anterior, mas foi negativamente afetado por vários fatores não recorrentes, como a coima do Banco de Portugal no valor de 2,5 milhões de euros. Carlos Tavares adiantou aos jornalistas que, apesar de esse valor ter sido provisionado nas contas do ano passado, o banco vai recorrer da decisão do supervisor.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco Montepio vai confirmar Dulce Mota como CEO efetiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião