Montepio tem nova cara. É esta a nova imagem do banco

Banco liderado por Dulce Mota prepara-se para apresentar a nova imagem da instituição. Além do nome, também há mudanças no logótipo para marcar distanciamento face à Associação Mutualista.

Será esta a nova imagem de marca do Banco Montepio.

Adeus, Caixa Económica. Olá, Banco Montepio. Há algum tempo que se sabia que a instituição ia mudar de designação comercial, mas ainda não se conhecia a nova imagem. Aqui está. O ECO revela em primeira mão a nova cara do banco liderado por Dulce Mota.

As mudanças na forma como o banco vai passar a apresentar-se ao público a partir das próximas semanas vem responder a uma exigência de longa data dos reguladores a propósito uma clara separação face ao seu acionista maioritário, a Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG).

A necessidade de distinção das duas marcas era um ponto vital para as autoridades para evitar confusões como aquelas que aconteceram no passado, como a venda de papel comercial do Grupo Espírito Santo pelo BES.

Neste caso, enquanto o Banco Montepio é supervisionado pelo Banco de Portugal, assim como o são os produtos financeiros como os depósitos bancários (e que gozam de proteção do fundo de garantia de depósitos), a AMMG e os produtos mutualistas vendidos nas agências do banco eram supervisionados apenas pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social até há pouco tempo — estão agora na alçada da Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões (ASF) — e apenas estão garantidos pelo capital da instituição liderado por Tomás Correia.

Foi perante este imperativo de “separar as águas” que Carlos Tavares mudou no verão passado o nome do produto mais popular da AMMG de Capital Certo para Poupança Mutualista. Isto para deixar claro junto dos clientes que, embora seja comercializado aos balcões do banco, se trata de uma aplicação mutualista e que não está abrangida pelo fundo de garantia de depósitos.

Além da marca, também o logótipo sofre uma remodelação evidente para se afastar ainda mais da mutualista: passa a apresentar apenas um pelicano, e não dois como era sua imagem de marca. Todo este trabalho de rebranding foi realizado pela agência Label.

Neste momento, o banco de Dulce Mota está a proceder à substituição dos elementos de identificação nos balcões e outros canais, devendo apresentar publicamente a nova imagem nas próximas semanas. De resto, parte das mudanças já foi concretizada, nomeadamente no próprio site da instituição.

Também para as próximas semanas as contas anuais do Banco Montepio deverão ser apresentadas. O banco registou lucros de 22 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano passado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio tem nova cara. É esta a nova imagem do banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião