Montepio baixa uma comissão. Pagar a prestação da casa fica mais barato

O banco liderado por Carlos Tavares vai deixar de cobrar a comissão de prestação mensal do crédito da casa mais cara do mercado. Corte é de um euro, para 2,75 euros mensais a partir de fevereiro.

Os portugueses já se habituaram a sucessivos aumentos das comissões bancárias. Por isso, o mais certo é que se surpreendam perante notícias a darem conta do contrário. É o que poderá acontecer com os clientes do Montepio que, pouco mais de dois anos depois de duplicar a comissão de processamento das prestações do crédito à habitação para o valor mais elevado do mercado, dá um passo atrás neste encargo. Vai baixar em 27%, para menos de três euros, o valor mensal desta comissão que passa a ser a terceira mais elevada do setor.

Essa é uma das mexidas previstas nas alterações ao preçário de comissões do banco liderado por Carlos Tavares e cuja implementação entra em vigor a 1 de fevereiro. De acordo com essas alterações que podem ser consultadas no site do Montepio Geral, a partir daquela data o banco passa a cobrar todos os meses 2,86 euros (já com Imposto do Selo) para processar o pagamento das prestações do crédito à habitação.

Este valor corresponde a menos um euro quando comparado aos 3,90 euros mensais que são atualmente cobrados pelo banco. Ou seja, o valor fixado há pouco mais de dois anos e que desde aquela data colocou a instituição liderada por Carlos Tavares no posto da “mais careira” do setor nos encargos mensais cobrados aos clientes pelo processamento da prestação do empréstimo da casa.

Essa redução vai permitir aos clientes com crédito à habitação uma poupança de 27% face aos valores que ainda são cobrados mensalmente pelo Montepio. Em euros, ao final do ano, a poupança é de 12 euros.

Comissão de processamento em dez bancos

Fonte: Preçários dos bancos

Assumindo a inexistência de alterações nas despesas cobradas pelos restantes bancos, ao avançar com essa descida o Montepio deixa essa liderança para passar a aplicar a terceira comissão mais elevada.

Ou seja, atrás do Novo Banco (3,64 euros por mês) e do Santander (3,02 euros por mês). Mas acima dos 2,6 euros mensais cobrados mensalmente tanto pela CGD com pelo BCP e pelo Bankinter, bem como dos 2,08, 1,87 e 1,56 euros mensais atualmente em vigor no Banco CTT, Crédito Agrícola e Eurobic, respetivamente. Já o BPI não prevê o pagamento de qualquer comissão pelo processamento mensal das prestações.

Já no que respeita ao crédito hipotecário com outras finalidades, o sentido dos encargos é diferente: vão agravar-se no Montepio. Nesse caso, a comissão de processamento passa de 31,2 para 34,32 euros anuais. Ou seja, um aumento de 10%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio baixa uma comissão. Pagar a prestação da casa fica mais barato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião