Importações levantam voo com compra de aviões. Exportações abrandam

As importações subiram em janeiro deste ano, impulsionadas pela compra de aviões. As exportações desaceleraram face ao mês anterior, ao aumentar 4,1%.

As importações levantaram voo no início do ano, ao subir 16,6% em janeiro, impulsionadas maioritariamente pela compra de aviões. Por outro lado, as exportações aumentaram 4,1%, no que foi um abrandamento face ao crescimento do mês anterior, revelam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O défice da balança comercial no primeiro mês do ano atingiu os 1.996 milhões de euros, mais 794 milhões de euros do que no mesmo mês de 2018, indica o INE. O saldo da balança comercial continua a ser negativo, enquanto as importações de Portugal batem as exportações.

Portugal comprou aviões e as suas partes principalmente a França, país de origem da Airbus que fornece os aparelhos para a TAP, o que fez as importações vindas desse país aumentar quase 70% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Quando se olha para o total de 2018, foi Espanha o principal fornecedor, seguido pela Alemanha, tendência que se manteve no início do ano.

Para além das movimentações nos aviões, também os automóveis pesaram na balança, apesar de não serem suficientes para travar o défice. As exportações de automóveis para transporte de passageiros cresceram 33,5% em janeiro, relativamente ao mesmo período do ano passado, fixando-se nos 428 milhões de euros. Um desempenho que não é alheio ao aumento de produção da Autoeuropa. Já as importações de carros caíram 15,2% no primeiro mês do ano.

As exportações de Portugal para a Alemanha aumentaram 17,1% em janeiro, bem como para a Espanha, que registaram um crescimento de 7,4%. Pelo contrário, as compras da Bélgica e do Brasil diminuíram, principalmente na área dos combustíveis e lubrificantes, “justificado em parte pelas manutenções ocorridas nas refinarias nacionais“, explica o INE.

(Notícia atualizada às 12h05)

Comentários ({{ total }})

Importações levantam voo com compra de aviões. Exportações abrandam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião