Piloto reportou problemas no controlo do avião que caiu

O piloto do voo trágico que matou 157 pessoas este domingo reportou, após a descolagem, estar a ter problemas no controlo do avião da Boeing e pediu autorização para regressar ao aeroporto.

O piloto do avião Boeing 737 envolvido no acidente trágico deste domingo reportou problemas no controlo da aeronave e pediu para regressar ao aeroporto, instantes depois da descolagem. A informação foi avançada pelo presidente executivo da Ethiopian Airlines, a companhia aérea que operava o voo que matou todos os 157 passageiros e tripulantes.

Segundo o The Wall Street Journal (acesso pago), o presidente executivo da empresa, Tewolde Gebremariam, disse ter ouvido as gravações descarregadas da caixa negra da aeronave, que mostram que o piloto não referiu quaisquer interferências externas ou outros problemas.

Se as autoridades confirmarem a informação, poderão ser péssimas notícias para a Boeing, responsável pelo fabrico do 737 Max 8, o modelo envolvido no acidente, que é uma versão melhorada do Boeing 737. O impacto da tragédia na Boeing foi ainda maior por ter sido a segunda queda de um avião deste modelo em cinco meses.

Um porta-voz da Ethiopian Airlines, Asrat Begashaw, confirmou, em declarações à Associated Press, que os registos de áudio e dados do voo foram enviados para a Europa, mas sem especificar o país de destino, para serem analisados.

A China foi o primeiro país a anunciar a proibição do uso destes aviões pelas operadoras domésticas. Mas medida já foi tomada pelas autoridades de muitos outros países. Esta terça-feira, a União Europeia decidiu fechar o espaço aéreo a todos os voos com o Boeing 737 Max. E esta quarta-feira foi a vez da Índia, Macau, Hong Kong, Emirados, Malásia, Nova Zelândia e Fiji

A fabricante norte-americana tem, por estas razões, enfrentado forte pressão na bolsa de Nova Iorque. Os títulos da empresa já desvalorizaram esta semana mais de 11%, descendo abaixo da fasquia dos 400 dólares. Atualmente, as ações da empresa valem 375,41 dólares.

Mas há mais problemas no horizonte. A Norwegian Air Shuttles anunciou esta quarta-feira que vai pedir uma indemnização à Boeing, após ter suspendido os voos das suas aeronaves deste modelo e arcado, consequentemente, com prejuízos financeiros. A porta-voz da operadora norueguesa, Tonje Naess, disse à Associated Press (AP) que a companhia aérea de Oslo “não pode ficar com o ónus financeiro de uma aeronave nova que não pode ser usada”.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h32 com a envio das caixas negras para a Europa)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Piloto reportou problemas no controlo do avião que caiu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião