Depois da CUF, Luz Saúde também já não vai suspender acordos com ADSE

O grupo Luz Saúde voltou atrás na intenção de suspender os acordos de convenção com a ADSE. Os beneficiários vão poder fazer marcações sem restrições de data.

Depois do grupo José de Mello Saúde, a Luz Saúde também desistiu de romper os acordos de convenção com a ADSE a partir do próximo mês, decisão que tinham anunciado em fevereiro. Assim, os beneficiários do subsistema de saúde dos funcionários públicos continuam a ter acesso aos hospitais e clínicas deste prestador, e podem marcar consultas para qualquer data.

“Face à vontade expressa pelo Conselho Diretivo da ADSE, que se perceciona como genuína, para reiniciar negociações com a Luz Saúde com vista à reformulação das convenções, a Comissão Executiva do Grupo Luz Saúde decidiu retomar as marcações, sem restrições de datas, dos serviços prestados ao abrigo das convenções celebradas com a ADSE, enquanto estiver a decorrer o período de negociações”, dizem em comunicado aos beneficiários.

A ADSE tem estado em conversações com os privados, e é a expectativa de assinar “num curto espaço de tempo” um Memorando de Entendimento o que motiva o recuo da Luz Saúde. Este Memorando vai regular o processo de negociação e prevê que a ADSE apresente uma proposta de nova tabela até meados de abril. Já a José de Mello Saúde, na quarta-feira, tinha indicado até que será ainda neste mês que a ADSE vai apresentar a proposta de preços para o regime convencionado, “para entrar em vigor até ao final de junho”.

O grupo liderado por Isabel Vaz informa também os beneficiários que as marcações já efetuadas para depois de 15 de abril vão ser realizadas ao abrigo do regime convencionado. De acordo com as informações recolhidas pelo ECO, a Luz Saúde tem cerca de 250 mil utentes com ADSE, que pagam quatro euros de co-pagamento numa consulta de pouco mais de 18 euros (o restante é pago pela ADSE).

A intenção de alguns grupos privados, como a José de Mello Saúde, a Luz Saúde e os Lusíadas, de suspender as convenções com a ADSE, surgiu depois de a entidade exigir aos prestadores a devolução de 38 milhões de euros por excesso de faturação em 2015 e 2016. Esta exigência agravou as relações entre as duas partes, que já estavam em discordância em relação ao modelo regularizações.

(Notícia atualizada às 13h30)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da CUF, Luz Saúde também já não vai suspender acordos com ADSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião