Hospitais Cuf já não vão suspender acordos com a ADSE

  • ECO
  • 13 Março 2019

A José de Mello Saúde decidiu voltar atrás na decisão e vai manter as convenções com a ADSE. Hospitais Cuf voltam a aceitar marcações para depois de 12 de abril.

A José de Mello Saúde “decidiu interromper a suspensão da convenção com a ADSE” que tinha sido anunciada a 11 de fevereiro. Desta forma, vai voltar a aceitar marcações para depois de 12 de abril, data para a qual estava marcada a suspensão dos acordos.

“Foi retomada a normal execução da convenção em todas as unidades de saúde da rede Cuf”, lê-se numa nota interna da empresa, citada pelo Expresso (acesso condicionado). A carta é assinada por Salvador de Mello, presidente executivo da empresa, que justifica a decisão com o “empenho que o conselho diretivo da ADSE e as suas tutelas têm colocado no progresso destas conversações”.

O gestor aponta que foram “iniciadas conversações com a ADSE” nas “últimas semanas” e que, apesar dos esforços, ainda existem diferenças a separar “ambas as entidades”. E recorda na mesma nota que a ADSE vai apresentar ainda este mês “uma proposta de nova tabela” de preços para o regime convencionado, “para entrar em vigor até ao final de junho”.

“A não denúncia das convenções nesta data assenta na fundada expectativa de que a nova tabela entre em vigor no curto prazo”, aponta a empresa, de acordo com o Expresso.

A notícia representa um importante desenvolvimento no diferendo que levou a que várias empresas privadas anunciassem o rompimento das convenções com a ADSE, o instituto público que permite benefícios nos cuidados de saúde aos funcionários públicos e familiares, mediante uma contribuição.

Entre as outras empresas que anunciaram o rompimento está a Luz Saúde, o Grupo Lusíadas Saúde e as unidades Hospital Privado do Algarve.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h39)

Comentários ({{ total }})

Hospitais Cuf já não vão suspender acordos com a ADSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião