Mais de dois terços dos investimentos em Portugal são feitos online

As ordens digitais sobre instrumentos financeiros estão a ganhar destaque. A tendência está entre os investidores mais pequenos já que o montante das ordens online representa apenas 11,1% do total.

Os investidores em Portugal estão mais digitais, mas continuam com menor capacidade financeira que os estrangeiros. Do total de ordens sobre instrumentos financeiros recebidas por intermediários financeiros registados em fevereiro, 69,9% foram dadas online. No entanto, são os investidores mais pequenos a preferirem este canal, já que em termos de montante, estas mesmas ordens representam apenas 11,1% do total recebido.

Dentro do online, o mobile também está a ganhar destaque. O peso dos outros meios eletrónicos de comunicação à distância face ao canal internet cresceu um ponto percentual para 10,2% do total de ordens e 25,7% do montante, de acordo com dados da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em fevereiro, o valor das ordens sobre instrumentos financeiros recebidas superou os 6,8 mil milhões de euros, o que representa uma quebra de 13,1% face a janeiro. A diminuição aconteceu em todos os segmentos: na dívida pública e na privada caiu, 15% para 4.491,9 milhões de euros e 16% para 1.103,1 milhões, respetivamente. Nas ações, recuou 9% para 805,7 milhões de euros.

Em termos de investidores, são os estrangeiros que colocam mais dinheiro por cada ordem aplicada nos mercados financeiros em Portugal. Os investidores não residentes representam 62,4% do montante total, apesar de apenas 14,1% das ordens. Já os investidores de retalho residentes no país são responsáveis por 77% das ordens, mas apenas 12% do valor.

Em ambos os casos, o montante caiu face a janeiro: 9,9% no caso dos residentes e 14,9% no de não residentes. Estados Unidos, França e Alemanha foram os três principais destinos das ordens executadas sobre ações fora de Portugal, enquanto Reino Unido, Alemanha e França foram o principal destino das ordens sobre títulos de dívida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de dois terços dos investimentos em Portugal são feitos online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião