Novas regras dos passes sociais serão “uma bomba eleitoral”, afirma Marques Mendes

O comentador da SIC diz que as novas regras que baixam o preço dos passes sociais são "justas e necessárias”, mas é a medida “com efeitos mais eleitorais dos últimos 25 anos”.

As novas regras dos passes sociais — que vão limitar a 30 euros (para deslocações dentro do mesmo município) ou a 40 euros (deslocações entre concelhos) o valor pago por pessoa ou 80 euros por família — são “uma bomba eleitoral. É a medida com efeitos mais eleitorais dos últimos 25 anos. A dois meses de eleições europeias e a seis meses das legislativas, é eleitoralismo”.

Para o comentador da SIC, é uma medida sobretudo para Lisboa e Porto: “Todos os portugueses pagam. Mas há muitos municípios do interior que não terão benefício nenhum e também pagam. O interior fica a ver navios. Para os grandes centros urbanos, onde há os votos, há dinheiro”.

Marques Mendes afirma que as novas regras são, “de facto, uma revolução”. Apesar das críticas ao timing da medida, a meses de eleições, Mendes diz que é “justa, necessária e vai na boa direção. Mas tem um eleitoralismo à solta”, remata.

No seu comentário dominical na SIC, Marques Mendes mostrou algumas contas sobre o nível de poupança que será possível atingir.

Por exemplo, quem faz o percurso de Setúbal para Lisboa, tenha mais de 65 anos e use três meios de transportes — Fertagus, Metro e Carris — antes pagava 120,8 euros e vai passar a pagar 20 euros. Ou seja, haverá uma poupança mensal de 100 euros. Para o mesmo percurso, mas para um casal que pagava 322,3 euros, vai passar a pagar 80 euros.

Se um utente faz, por exemplo, o percurso Sintra-Lisboa, e utiliza só o comboio, paga atualmente 49,10 euros e passará a pagar 40 euros, ou seja, terá uma poupança mensal de 9,10 euros.

(Notícia atualizada às 21h03)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novas regras dos passes sociais serão “uma bomba eleitoral”, afirma Marques Mendes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião