Bruxelas tem dois mil milhões de euros para ser acionista de startups

  • Lusa
  • 18 Março 2019

O projeto europeu vai tornar Bruxelas acionista de startups e pequenas e médias empresas na União Europeia. Além disso, a Comissão está à procura de novas ideias.

A Comissão Europeia vai investir dois mil milhões de euros para criar um Conselho Europeu da Inovação, projeto que vai tornar Bruxelas acionista de startups e pequenas e médias empresas na União Europeia (UE), captando ainda novas ideias.

Em causa está o projeto-piloto que arranca esta segunda-feira, estabelecendo que a Comissão Europeia possa “entrar no capital das empresas, comprando ações dessa empresa e ficando um acionista”, afirmou o comissário europeu para as áreas da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, em declarações aos jornalistas portugueses em Bruxelas.

Notando ser “a primeira vez” que Bruxelas dá passos para fazer investimentos diretos no setor privado, o responsável observou que o programa muda, assim, a forma como são financiadas as startups e as Pequenas e Médias Empresas (PME) na UE, o que até agora era feito apenas à base de bolsas.

“Isso traz uma grande vantagem: é que se aquela inovação funcionar, nós depois podemos também receber o valor dessas ações, que vão aumentar, e ao receber esse dinheiro podemos financiar outros [projetos] que não poderiam ser financiados se só tivéssemos bolsas”, adiantou Carlos Moedas.

Para entrar na estrutura das companhias, a Comissão Europeia vai criar, em conjunto com o Banco Europeu de Investimento e o Fundo Europeu de Investimento, uma entidade “para fazer esses investimentos”. “Ainda não definimos exatamente como vamos entrar no capital das empresas, mas não queremos ser um acionista típico, portanto é uma percentagem para ajudar a empresa e até para atrair outros investidores”, referiu o comissário europeu.

A partir desta segunda-feira, Bruxelas está a receber candidaturas de empreendedores ou de empresas que queiram apoio deste Conselho Europeu da Inovação, projeto que está em fase piloto até 2020 e para o qual serão alocados dois milhões de euros em 2019 e 2020, após quase mil milhões aplicados no ano passado.

O perfil dos participantes é variado. Segundo Carlos Moedas, “vai ser desde uma ideia […] até uma empresa que já tenha dez ou 20 pessoas ou empresas maiores até 100 pessoas, dependendo do valor, mas obviamente estamos a falar de pequenas e médias empresas e de startups, não estamos a falar de grandes empresas”.

A cada uma das companhias escolhidas serão, então, alocados dois a três milhões de euros em bolsas e até 15 milhões de euros na compra de ações, precisou.

O projeto já teve o aval do Conselho da UE, onde estão representados os Estados-membros, e do Parlamento Europeu, é financiado pelo programa de investigação e inovação da UE, o Horizonte 2020. “Se correr mal, não recebemos [dividendos], mas quando fazemos bolsas também não as recebemos de volta. Pelo menos aqui vemos alguma oportunidade de ver algum retorno de uma parte do dinheiro para ajudar outros”, adiantou Carlos Moedas.

Além destes financiamentos, Bruxelas está à procura de olheiros que procurem “onde está a tecnologia” dentro da UE. Estas serão “pessoas que venham fora do circuito público, que não sejam funcionários públicos, que pudessem ser um bocadinho project managers, para olhar para novas tecnologias, o que se está a fazer na Europa, e depois tentar ir financiar empresas”, concluiu o responsável.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas tem dois mil milhões de euros para ser acionista de startups

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião