Farfetch anda à procura de startups tech e de comércio

Na 1.ª edição da Dream Assembly, a Farfetch acelerou 11 startups de nove países. A plataforma de luxo anda, em parceria com a Burberry, à procura de novas ideias de negócio para tecnologia e comércio.

A Farfetch abriu esta semana as candidaturas para a segunda edição da Dream Assembly, programa de aceleração para startups tecnológicas e dedicadas a negócios de comércio.

Lançado em abril de 2018, o programa tem como objetivo dar mentoria, networking e investimento inicial a algumas das mais promissoras startups. No primeiro ano, o programa acelerou 11 startups de nove países diferentes.

Além de startups com vocação tecnológica, a plataforma global para a indústria da moda de luxo procura startups com fins lucrativos mas cujo projeto tenha benefícios sociais ou ambientais.

Para a segunda edição, além da Burberry, parceira fundadora do programa, a Dream Assembly vai contar com uma parceria com Stella McCartney, empresa há muito líder em moda sustentável.

Stephanie Phair, Chief Strategy Officer da Farfetch.Farfetch

“Acreditamos que a indústria da moda tem um papel essencial na construção de um futuro sustentável, e é por isso que queremos, com este novo programa, dar uma oportunidade às empresas que estão focadas em mudar o futuro do comércio de uma forma sustentável”, diz Stephanie Phair, Chief Strategy Officer da Farfetch.

Como funciona?

O programa de aceleração da Dream Assembly dura dez semanas e inclui uma série de workshops, sessões individuais com líderes seniores da Farfetch e das empresas parceiras, e reuniões de mentoria sobre tópicos como e-commerce, marketing, tecnologia, moda, logística e operações. Assim, explica a Farfetch, “ganham acesso direto ao conhecimento da Farfetch nas indústrias da moda de luxo e da tecnologia”.

A segunda edição da Dream Assembly deverá arrancar em abril, em Lisboa, e termina com um demo day [dia de apresentação a investidores] em Londres, onde as empresas terão a oportunidade de apresentar os seus projetos a um grupo exclusivo e previamente selecionado de investidores externos. As candidaturas terminam a 3 de março.

“Esperamos que o nosso programa de mentoria e workshops sobre tópicos tão distintos como tecnologia, dados, marketing, pessoas e talento, em conjunto com o acesso que garantimos a parceiros fantásticos, possa ajudar a construir a próxima onda de empresas de moda e de tecnologia de sucesso”, esclarece Cipriano Sousa, Chief Technology Officer da Farfetch.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch anda à procura de startups tech e de comércio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião