Farfetch vê receitas dispararem mais de 50%, mas prejuízos sobem

A empresa de comércio online de bens de luxo faturou 132 milhões de euros no terceiro trimestre do ano, apoiada no aumento de encomendas e clientes. Ainda assim agravou prejuízos.

A Farfetch surpreendeu pela positiva na primeira apresentação de resultados desde a sua estreia em bolsa há quase dois meses. A empresa de comércio online de bens de luxo viu as suas receitas dispararem mais de 50% no último trimestre. Ao mesmo tempo os seus prejuízos subiram, num período marcado pelo aumento dos custos associados à fase do ciclo de investimento em que se encontra.

Nos três meses terminados em setembro, a empresa fundada pelo português José Neves registou receitas de 132,2 milhões de dólares. Este montante corresponde a um aumento de 52% quando comparado com os 86,9 milhões de dólares verificados no período homólogo, segundo reportou a empresa ao mercado no final de quinta-feira após o fecho do mercado bolsista norte-americano.

Esta evolução das receitas assenta num aumento de 61% na faturação dos serviços prestados pelas suas plataformas de comércio. Passaram de 66,1 milhões de dólares no terceiro trimestre de 2017 para 106,3 milhões no mesmo período de 2018.

Estes resultados foram apoiados pela subida do número de encomendas, que passaram de 427.700 para 662.500, na sequência de um crescimento de 42,4% no número de clientes ativos entre setembro de 2017 e de 2018.

Ações da Farfetch aceleram

Apesar do aumento da faturação, a Farfetch viu os seus prejuízos agravarem-se. No terceiro trimestre do ano, a empresa de artigos de luxo reportou perdas de 77,3 milhões de dólares, o que compara com 28,179 milhões no ano anterior. A empresa justifica esse aumento com o facto de estar “na fase inicial do ciclo de investimento”, realidade que suportou um crescimento de todas as rubricas de despesas.

“Estou extremamente orgulhoso com o progresso que a Farfetch continua a registar em todas as iniciativas estratégicas“, afirmou José Neves no documento de apresentação de contas enviado ao mercado.

As palavras de José Neves foram reforçadas pelas do seu diretor financeiro, Elliot Jordan. “Estou encantado com a nossa performance neste trimestre e com o crescimento tanto da faturação bruta como da receita neste período. Este crescimento, aliado com uma maior eficiência operacional vai permitir-nos fazer mais investimentos no futuro para que possamos continuar a conquistar quota de mercado”, disse.

As ações da Farfetch estão a valorizar perto de 5% (4,92%) para os 23,135 dólares na bolsa de Nova Iorque, reagindo assim positivamente aos resultados apresentados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch vê receitas dispararem mais de 50%, mas prejuízos sobem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião