Prolongar cortes na produção? OPEP e aliados querem esperar até junho

  • Lusa
  • 18 Março 2019

A OPEP e os aliados, onde se insere a Rússia, recomendam esperar até ao fim de junho para se decidir sobre o prolongamento dos cortes na produção acordados em dezembro.

Os países da OPEP e dez outros produtores de petróleo defenderam esta segunda-feira que se espere pelo fim de junho para decidir sobre um eventual prolongamento do acordo sobre os cortes na produção decididos em dezembro passado. Os membros da OPEP (Organização de Países Exportadores de Petróleo) e dez Estados membros liderados pela Rússia reuniram-se em Baku, no Azerbaijão, para avaliar a estratégia adotada, destinada a evitar uma descida dos preços de petróleo.

No final do encontro, o comité ministerial, que não tem poder de decisão, divulgou um comunicado a recomendar o cancelamento da reunião de ministros da OPEP prevista para abril e a esperar pela conferência de 25 de junho para decidir os objetivos de produção para a segunda metade de 2019. “Considerando que não é provável que os fundamentos do mercado mudem nos próximos dois meses, o comité ministerial conjunto de supervisão do acordo (…) recomenda que se cancele a reunião ministerial de abril”, refere o comunicado.

Preço do barril de brent desde o início do ano

Fonte: Reuters

O comité recomenda também que se realize uma nova reunião, ao mesmo nível da que teve lugar esta segunda-feira, durante o mês de maio, em Jeddah, na Arábia Saudita, destinada a avaliar de novo a situação.

No âmbito do acordo que entrou em vigor no passado dia 1 de janeiro, a OPEP e os países aliados comprometeram-se a retirar do mercado no primeiro semestre deste ano 1,2 milhões de barris por dia (800 mil por parte dos países da OPEP e 400 mil dos outros produtores).

O barril de Brent está a valorizar mais de 1% para 59,16 dólares, enquanto o crude soma 0,74% para 67,66 dólares.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prolongar cortes na produção? OPEP e aliados querem esperar até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião