Finerge compra mais dois parques eólicos em Portugal. Já são 43

O segundo maior produtor de energia renovável no país aumentou a carteira de parques eólicos. A Finerge passa a ser proprietária de 43 centrais eólicas, evitando a emissão de 844 toneladas de CO2.

As 41 centrais eólicas que a Finerge detinha em território nacional já faziam da empresa o segundo maior produtor de energia renovável no mercado. Uma posição que é agora reforçada com a compra de mais dois parques eólicos. Com esta aquisição, avaliada em 23 milhões de euros, a Finerge passa a ter uma capacidade instalada de 908 megawatts, conseguidos através de 508 aerogeradores.

De acordo com a informação adiantada esta quarta-feira pela própria empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o negócio inclui o Parque de Vila Franca e o Parque Eólico do Baião, detidos em partes iguais pela Martifer e pela SPEE. O primeiro tem uma capacidade instalada de 12,6 megawatts e o segundo, um pouco menor, tem 6,3 megawatts.

“Esta aquisição está alinhada com a nossa estratégia de crescimento e é uma prova do nosso empenho em continuar a investir em Portugal. Espelha também o nosso continuo contributo para apoiar os esforços do país no caminho para neutralidade carbónica“, diz Pedro Norton, CEO da Finerge, citado no documento.

O contrato da operação foi assinado esta quarta-feira, passando a Finerge a deter um portefólio de 43 centrais eólicas no país, com uma capacidade instalada de 908,1 megawatts, “consolidando assim a sua posição como segundo maior produtor de energia eólica” em território nacional.

São 508 os aerogeradores que a empresa, fundada em 1996, tem espalhados pelos seus parques, que produzem cerca de 2,12 terawatts por hora por ano, evitando a emissão de 844 toneladas de dióxido de carbono. Já investiu mais de 1,2 mil milhões de euros em Portugal e conta com cerca de 200 trabalhadores.

Já a Martifer justifica a venda como estando enquadrada “na estratégia do grupo de rotação de ativos, cristalização de valor e redução da dívida”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finerge compra mais dois parques eólicos em Portugal. Já são 43

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião