PSD vai pedir auditoria independente “à venda e gestão” do Novo Banco

Leitão Amaro anunciou esta quinta-feira que o PSD vai levar ao Parlamento uma proposta para a realização de uma auditoria independente à "venda, à gestão e à política de imparidades do Novo Banco.

O deputado do PSD António Leitão Amaro anunciou esta quinta-feira que o seu partido vai propor à Assembleia da República a realização de uma auditoria independente à fase posterior à resolução do BES, em 2014, e que deu origem ao Novo Banco. Os sociais-democratas colam-se assim a Marcelo Rebelo de Sousa.

 

“É um anúncio que torno agora público”, começou por dizer Leitão Amaro, frente-a-frente com a António Ramalho, presidente do Novo Banco. “Dentro dos próximos dias dará entrada uma proposta para ser votada no plenário desta Assembleia da República sobre a realização de uma auditoria independente sobre aquilo em que há dúvida. (…) Temos duas auditorias feitas pré-resolução, temos uma comissão de inquérito pré-resolução, temos uma decisão do Tribunal da Relação de Lisboa que avalia a decisão de resolução, mas não sabemos a avaliação disto: os contornos da venda, a gestão e a prática e política de gestão de ativos e de imparidade“, adiantou o deputado social-democrata.

O senhor [António Ramalho] já disse que não tem problema com isso, mas quero dizer-lhe que vamos levar esta proposta à Assembleia da República, e vai dar entrada nos próximos dias uma proposta para auditoria ao que se passou no pós-resolução, com incidência nestes factos“, acrescentou Leitão Amaro.

Não demorou muito tempo para António Ramalho reagir: “Estou desejando uma auditoria que esclareça de forma clara e precisa sobre o que se passa na gestão e organização do banco”.

Vamos levar esta proposta à Assembleia da República, e vai dar entrada nos próximos dias uma proposta para auditoria ao que se passou no pós-resolução, com incidência nestes factos.

Leitão Amaro

Deputado do PSD

Antes, o deputado do PSD deixou as suas dúvidas sobre a política de imparidades do Novo Banco, uma política de front loading de imparidades para poder utilizar os recursos previstos no mecanismo de capital contingente no valor de 3,9 mil milhões de euros. “Temos de perceber não se os volumes de imparidades são todos iguais, mas se os critérios são iguais”, notou Leitão Amaro.

Também aqui, o deputado não ficou sem resposta. António Ramalho esclareceu que “as imparidades são feitas de acordo com os critérios comuns a todas as instituições, são auditadas”.

Depois de o Novo Banco ter solicitado uma compensação financeira de 1.149 milhões de euros ao Fundo de Resolução, ao abrigo daquela garantia pública contingente, o Ministério das Finanças veio pedir uma auditoria aos créditos que estão no perímetro do mecanismo. Mais tarde, o primeiro-ministro veio esclarecer que essa auditoria será sobre a fase anterior à resolução do BES, isto porque a fase posterior foi “conduzida diretamente” pelo Banco de Portugal. E “não cabe ao Governo supervisionar o Banco de Portugal, nem seria correto o Governo ordenar uma auditoria ao Banco de Portugal”, justificou António Costa no dia 6 de março.

Entendimento contrário tem o Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa já disse e insistiu que pretende uma auditoria “não apenas na pré-história, isto é, até à resolução, mas depois da resolução”. O PSD acompanha agora a perspetiva do Presidente.

(Notícia atualizada às 20h33 com declarações de António Ramalho)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD vai pedir auditoria independente “à venda e gestão” do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião