Novo Banco: António Ramalho insiste que “todas as auditorias são bem-vindas”

  • Lusa
  • 19 Março 2019

O CEO do Novo Banco voltou a insistir que “todas as auditorias são bem-vindas” e que a instituição já tem duas auditoras, sendo um terceiro auditor “sempre positivo”.

O presidente do Novo Banco insistiu esta terça-feira que “todas as auditorias são bem-vindas” e que a instituição já tem duas auditoras, sendo um terceiro auditor “sempre positivo”.

“Desde a primeira hora que nós temos dito que todas as auditorias são bem-vindas. É essa a nossa maneira de estar na gestão e, portanto, esta também será”, afirmou esta terça-feira António Ramalho, em reação ao pedido do Presidente da República e do PSD para que a auditoria ao Novo Banco seja feita não só relativamente ao período anterior à resolução do banco mas também na atualidade.

“O Novo Banco em 2017 foi auditado pela Price [PricewaterhouseCoopers – PwC], este ano está a ser auditado pela Ernst & Young, que está a terminar a auditoria, e naturalmente teremos todo o gosto em ter um terceiro auditor que nos faça a análise de toda a nossa atividade, é sempre positivo”, frisou o presidente do Novo Banco.

António Ramalho falava à margem da inauguração da exposição “Ficção e fabricação. Fotografia de arquitetura após a Revolução Digital”, no MAAT – Museu Arte Arquitetura Tecnologia, em Lisboa, depois de o presidente do PSD ter defendido esta terça-feira que a auditoria ao Novo Banco deveria incluir o “que neste momento” se passa naquela instituição, considerando ser “de bom tom” certificar se o dinheiro dos contribuintes está a ser devidamente aplicado.

A este propósito, António Ramalho recordou que “os créditos que fazem parte do mecanismo de capital contingente são todos eles anteriores à resolução”.

“Naturalmente, a análise dos processos e procedimentos, que é comum também na auditoria da Caixa, faz todo o sentido que seja feita também no caso do Novo Banco”, referiu, adiantando que “todas as auditorias também a períodos posteriores podem ser de utilidade”.

“Nós naturalmente já hoje auditamos e auditamos até com duas auditoras, uma terceira auditora é bem-vinda”, reforçou.

Questionado sobre se o Novo Banco já tem a aprovação para a injeção dos 1.149 milhões de euros, anunciada no início de março, António Ramalho respondeu que “essa injeção será apenas solicitada formalmente após a aprovação das contas na assembleia-geral”, que decorrerá no início do próximo mês.

“É esse o procedimento. Depois há uma verificação dos dados apresentados e, no prazo de um mês, é então realizada a injeção”, explicou.

Questionado sobre se o preocupa o ritmo das injeções solicitadas pelo Novo Banco ao mecanismo contingente, uma vez que, considerando a injeção de 1.149 milhões de euros o total de injeções nos dois primeiros anos [2018 e 2019] atingirá cerca de metade dos 3,89 mil milhões de euros acordados para um prazo de oito anos, o presidente do banco respondeu que “também metade dos problemas já estão totalmente resolvidos”.

“Estaria preocupado se as injeções fossem demasiadamente lentas. Isso significaria que teríamos oito anos de dificuldades na recuperação do banco”, indicou.

O presidente do PSD defendeu hoje que a auditoria ao Novo Banco deveria incluir o “que neste momento” se passa naquela instituição, considerando ser “de bom tom” certificar se o dinheiro dos contribuintes está a ser devidamente aplicado.

No dia 1 de março, o Novo Banco anunciou que vai pedir uma injeção de capital de 1.149 milhões de euros ao Fundo de Resolução. No ano passado, para fazer face a perdas de 2017, este banco já tinha recebido uma injeção de capital de 792 milhões de euros do Fundo de Resolução.

Em 6 de março, a propósito do período em que incidirá a auditoria anunciada pelo Governo ao Novo Banco, o primeiro-ministro declarou que será sobre a fase anterior à resolução do Banco Espírito Santo (BES), salientando que a fase posterior foi “conduzida diretamente” pelo Banco de Portugal.

Na altura, questionado sobre a posição do Presidente da República a favor de uma auditoria ao período “desde que foi determinada a resolução”, António Costa disse perceber a posição de Marcelo Rebelo de Sousa, mas sugeriu que “porventura uma comissão parlamentar de inquérito seria mais adequada para fazer a apreciação da atuação do Banco de Portugal neste processo”.

Três dias antes, o Presidente da República tinha-se manifestado de acordo com o pedido de auditoria anunciado pelo Governo às contas do Novo Banco, defendendo que “os portugueses têm o direito de saber o que se passou desde que foi determinada a resolução, já lá vão muitos anos, com sucessivas gestões, e saber concretamente qual o destino do dinheiro dos contribuintes”.

O Novo Banco foi criado em 2014 para ficar com parte dos ativos do BES e é desde outubro de 2017 detido em 75% pelo fundo norte-americano Lone Star, sendo os restantes 25% propriedade do Fundo de Resolução gerido pelo Banco de Portugal.

A Lone Star não pagou qualquer preço, tendo acordado injetar 1.000 milhões de euros no Novo Banco, e negociou um mecanismo que prevê que, durante oito anos, o Fundo de Resolução injete até 3,89 mil milhões de euros no banco, por perdas que venha a registar num conjunto de ativos ‘tóxicos’ e alienações de operações não estratégicas, caso ponham em causa os rácios de capital da instituição.

Em 2018 o Novo Banco registou prejuízos de 1.412 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: António Ramalho insiste que “todas as auditorias são bem-vindas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião