Indemnizações aos investidores passam para nova autoridade de resolução. Nem CMVM, nem Banco de Portugal concordam

Sistema de Indemnização aos Investidores vai passar para a alçada da nova Autoridade de Resolução e Administração de Sistemas de Garantia. BdP defende que fique como está, com a CMVM.

O Sistema de Indemnização aos Investidores (SII) vai sofrer alterações com a reforma da supervisão financeira. A entidade, que é agora gerida pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), poderá passar para a alçada da nova Autoridade de Resolução e Administração de Sistemas de Garantia (ARSG), se a proposta do Governo for aprovada. No entanto, tanto o regulador dos mercados como o Banco de Portugal criticam a medida.

Criado em 1999 para proteger os investidores, caso uma entidade não tenha capacidade financeira para reembolsar ou restituir o dinheiro ou os instrumentos financeiros que lhes pertençam, o sistema de indemnização dos investidores vai ser administrado pelo conselho de administração da ARSG. A autoridade passará a delinear um plano de recursos e a comunicá-lo ao Ministério das Finanças. Assegura também os serviços técnicos e administrativos, de acordo com a proposta de reforma da supervisão financeira.

“A proposta de concentração dos sistemas de garantia junto da ARSG pode gerar, no médio prazo, sinergias e acréscimo de eficiência e de níveis de proteção dos investidores e consumidores de serviços financeiros no geral. Porém, a assinalada prevalência dos administradores da ARSG afetos ao Banco de Portugal seria particularmente injustificada na administração do SII e incoerente com o atual e proposto modelo de repartição de competências em razão do setor financeiro”, critica a CMVM, no parecer enviado ao Governo.

A questão prende-se com o facto de a representação do BdP na ARSG ser superior aos restantes supervisores: CMVM e Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF). Enquanto o banco central irá ter dois membros no conselho de administração, os outros membros são um representante de cada um dos outros supervisores e ainda um administrador executivo externo.

A “prevalência” de uma autoridade de supervisão no conselho de administração da ARSG, que se estende à administração do Sistema de Indemnização dos Investidores, representa um “risco de o princípio da prevenção dos conflitos de interesses não ser suficientemente acautelado pelo projeto“, refere a instituição liderada por Gabriela Figueiredo Dias.

“Não se justifica nem parece admissível”, defende o supervisor, sublinhando “que se trata de um fundo de proteção de investidores de serviços de investimento cuja supervisão cabe à CMVM: parece até uma solução não coerente com o próprio modelo de repartição de competências de supervisão subjacente ao sistema”.

O Banco de Portugal concorda. No seu parecer, propõe que se mantenha a atribuição à ARSG de competências de administração e gestão do Fundo de Resolução e do Fundo de Garantia de Depósitos, mas não do Sistema de Indemnização aos Investidores, que continuaria a funcionar nos moldes atuais, junto da CMVM. Sugere “a eliminação da previsão de que o SII seja gerido pela ARSG, sob presidência de um membro do Conselho de Administração do Banco de Portugal, por se entender ser mais coerente com o âmbito subjetivo dos poderes da ARSG”.

Esta não será a única alteração ao SII, que será no prazo de dois anos após a entrada em vigor da lei, alvo de revisão. O Conselho Nacional de Supervisores Financeiros e o Ministério das Finanças irão estudar o aumento da proteção dos investidores, designadamente, através do alargamento do âmbito, das entidades participantes e dos créditos cobertos.

A CMVM mostrou-se favorável a esta revisão, dizendo que “uma reflexão sobre as suas atuais características, à luz das soluções prevalecentes em mercados comparáveis, poderá conduzir à sua aproximação a outros sistemas de garantia, processo que o modelo de gestão integrada facilita”.

O SII foi usado apenas uma vez, no caso do Banco Privado Português, enquanto no Banco Espírito Santo e no Banif – Banco Internacional do Funchal foi acionado, mas não se reuniam as condições necessárias para a ativação. No final de 2017, o ativo era de 11,5 milhões de euros, de acordo com o último relatório anual disponível.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indemnizações aos investidores passam para nova autoridade de resolução. Nem CMVM, nem Banco de Portugal concordam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião