Carlos César fala de “abundantes” ligações familiares no Bloco de Esquerda

  • ECO
  • 25 Março 2019

O líder parlamentar socialista diz-se "surpreendido" com as recomendações de Catarina Martins sobre a contenção nas relações familiares no Governo, bem como com as declarações de Marques Mendes.

Carlos César, líder parlamentar socialista, diz estar “surpreendido” com as recomendações da coordenadora do Bloco, Catarina Martins, sobre a contenção nas relações familiares no Governo, sobretudo tendo em conta que também o BE tem “abundantes” relações na Assembleia da República (AR).

“Fico muito surpreendido, às vezes, com acusações dessa natureza. Não vou comentar as acusações em concreto, mas não percebo como é que o Bloco de Esquerda as pode fazer, sendo, aliás, um partido onde se conhece que no seu próprio grupo parlamentar são abundantes e diretas as ligações a familiares”, disse Carlos César, durante as jornadas de proximidade do grupo parlamentar do PS, em Portalegre.

De acordo com a TSF (acesso livre), também as declarações de Luís Marques Mendes deixaram o líder parlamentar socialista surpreendido, uma vez que, na família do comentador político, o pai foi deputado em mais do que uma legislatura e a irmã tem hoje assento no Parlamento.

“Não percebo como é que alguns comentadores podem falar sobre estas matérias. Recordo o caso do doutor Marques Mendes – o seu pai foi deputado na primeira, terceira, quarta e quinta legislatura. O doutor Marques Mendes foi ministro de cinco Governos, tendo sido também deputado e líder parlamentar e a sua irmã é deputada e dirigente parlamentar”, referiu.

Para Carlos César é, contudo, “natural” que, “em determinadas famílias onde essa vocação e essa proximidade se multiplicam, as pessoas tenham um empenhamento cívico similar”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos César fala de “abundantes” ligações familiares no Bloco de Esquerda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião