Poiares Maduro: “Rede familiar no Governo atingiu níveis nunca antes vistos”

O anterior ministro de Pedro Passos Coelho é crítico sobre a nomeação de familiares para cargos no Governo.

O tema voltou à baila depois de Paulo Rangel ter vindo defender que o Presidente da República já devia ter avisado o primeiro-ministro para não repetir o que chama de “promiscuidades familiares” no Governo. Em entrevista à agência Lusa, Rangel considerou que a existência de vários casos de ligações familiares em gabinetes de governantes de António Costa “não é normal e constitui um atentado gravíssimo ao princípio republicano”.

Também a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu este domingo que o Governo e o Partido Socialista devem refletir sobre a prática de ocupação de cargos públicos por “pessoas com muitas afinidades”.

Sobre este tema, Miguel Poiares Maduro disse esta segunda-feira, no fórum da TSF, que “não é algo normal, embora em Portugal não são casos únicos, ganharam uma certa normalidade”. Mas afirma que “a rede familiar no Governo atingiu níveis nunca antes vistos”.

O antigo ministro Adjunto e Desenvolvimento Regional aponta dois problemas às nomeações de familiares para o Governo:

  1. “O Governo não é um conjunto de ministros, é um órgão colegial. [Os ministros] têm de se escrutinar uns aos outros”.
  2. E o “problema de favorecimento dos que nos são próximos”. Poiares Maduro diz que esta situação “não é exatamente nepotismo, porque não se nomeou familiares. Foram mais nomeações cruzadas”. O ex-ministro de Passos Coelho prefere usar o termo anglo-saxónico de ‘cronyism, ou seja, “favorecimento dos que nos são próximos e que, pela proximidade, têm essa possibilidade de mostrar méritos que outros não têm”.

Miguel Poiares Maduro defende ainda, em declarações à TSF, que o papel da Cresap (Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública) “devia ser reforçado”.

Este fim de semana, em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, Poiares Maduro já tinha defendido que “há um conflito de interesses em ter ministros que são familiares”. No atual Governo, por exemplo, o ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, é pai de Mariana Vieira da Silva, atual ministra da Presidência e da Modernização Administrativa. Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, é casado com Ana Paula Vitorino, ministra do Mar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Poiares Maduro: “Rede familiar no Governo atingiu níveis nunca antes vistos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião