Espanhóis compraram 12 mil milhões de ativos no estrangeiro em 2018

  • ECO
  • 26 Março 2019

O ranking das maiores compras é liderado pela compra da norte-americana TravelClick pela empresa de soluções tecnológicas para o setor do turismo, a Amadeus. Esta desembolsou 1.319 milhões de euros.

As empresas e investidores espanhóis mantêm um forte apetite por ativos e empresas estrangeiras para fortalecerem a sua presença internacional. Apesar da ligeira desaceleração da economia espanhola e mundial em 2018, os juros historicamente baixos e a abundância de liquidez no mercado ajudaram a impulsionar as transações, dá conta o Expansión (acesso livre/conteúdo em espanhol).

De acordo com dados da consultora TTR citados pelo jornal espanhol, empresas, fundos e investidores espanhóis desembolsaram mais de 12 mil milhões de euros, em 2018, para adquirir empresas e ativos internacionais, considerando operações avaliadas em mais de 30 milhões de euros.

O ranking das maiores operações no estrangeiro feito em Espanha no ano passado, construído com base nestes critérios, é liderado pela compra da norte-americana TravelClick pela empresa de soluções tecnológicas para o setor do turismo Amadeus. O negócio foi fechado por 1.319 milhões de euros.

Numa versão inicial, o Expansión colocava a aquisição do Deutsche Bank em Portugal pelo Abanca nessa posição, num negócio que teria sido fechado por 1.379 milhões de euros. Contudo, o banco espanhol negou ter sido esse o valor, mas não deu qualquer indicação de qual seria.

A segunda posição é ocupada pela Cepsa que comprou à petrolífera estatal do Abu Dabi (Adnoc), 20% de duas grandes jazidas de petróleo naquele país por 1.208 milhões de euros.

O ranking das três maiores operações de aquisição no estrangeiro é fechado pela Colonial que elevou de 59% para 81% a sua participação na filial francesa SFL, o que lhe custou 718 milhões de euros.

(Notícia corrigida depois de o Abanca ter negado o valor atribuído à compra do Deutsche Bank em Portugal, preço que tinha sido adiantado inicialmente pelo Expansión)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanhóis compraram 12 mil milhões de ativos no estrangeiro em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião