Polémico “artigo 13” vai hoje a votos no Parlamento Europeu

A Diretiva dos Direitos de Autor, que inclui os controversos artigos 11 e 13, vai finalmente a votos no Parlamento Europeu. As novidades deverão ser conhecidas depois das 12h00, hora de Lisboa.

A nova Diretiva dos Direitos de Autor vai finalmente a votos no Parlamento Europeu. Os eurodeputados vão ser chamados esta terça-feira a pronunciar-se sobre o texto final do documento, que resulta de meses de intensas negociações por parte de vários organismos que compõem a União Europeia (UE).

Esta lei tem sido alvo de forte contestação e objeto de manifestações um pouco por toda a Europa. Em causa estão, sobretudo, os polémicos artigos 11 e 13, que se transformaram em 15 e 17 no texto final da proposta. As votações começam por volta das 12h30 horas (11h30 em Lisboa), mas é pouco provável que haja novidades antes do meio-dia em Portugal.

Se aprovada, a diretiva terá de ser transporta pelos Estados-membros, um processo que poderá demorar anos. Se chumbada, a proposta cai.

Algumas vozes têm defendido que os artigos mais controversos poderão representar uma ameaça profunda ao funcionamento da internet livre. As grandes empresas tecnológicas, como a Google, têm liderado o movimento contra a nova legislação.

O artigo 11, por exemplo, poderá obrigar a multinacional a pagar pela utilização de trechos de artigos de notícias de jornais no serviço Google News. Já o artigo 13 irá responsabilizar plataformas como o YouTube por conteúdo carregado pelos utilizadores.

Em Portugal, o tema foi alvo de discussão depois de Paulo Borges, youtuber português conhecido por Wuant, ter publicado um vídeo a lançar o alarme sobre a alegada iminência do “fim da internet” por causa do artigo 13. Como explicou Wuant na altura, o alerta tinha sido espoletado por um email enviado pela Google.

Outra das críticas apontadas ao documento era a de que iria acabar com os memes, as típicas imagens satíricas com frases e piadas que invadiram a internet e se tornaram uma marca da geração millenial. Mas o texto já foi clarificado e, numa publicação na plataforma Medium, a Comissão Europeia já garantiu que a diretiva protege o uso de conteúdos de terceiros para esta finalidade.

As regras dos direitos de autor não são alteradas desde 2011. A ideia da proposta passa por modernizar e adaptar a legislação à realidade atual, nomeadamente ao mercado globalizado criado pela tecnologia através da rede.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Polémico “artigo 13” vai hoje a votos no Parlamento Europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião