Redução do défice comercial norte-americano anima Wall Street

O défice da balança comercial dos EUA caiu em janeiro, para 51,1 mil milhões de dólares, o que representa a maior queda mensal desde 2009 e foi superior às estimativas do mercado.

Wall Street abriu no verde, animado pelos dados económicos. O défice da balança comercial dos EUA caiu em janeiro, para 51,1 mil milhões de dólares, o que representa a maior queda mensal desde 2009. A dívida continua em destaque, mas as preocupações parecem estar a ser ofuscadas pelos números divulgados pelo Departamento de Comércio.

O índice industrial Dow Jones abriu a ganhar 0,16% para 25.698,95 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 sobe 0,08% para 2.820,82 pontos e o tecnológico Nasdaq avança 0,19% para 7.706,32 pontos.

No campo empresarial, o foco está no setor da saúde depois de a agência Reuters ter noticiado que as conversações para uma oferta pública de aquisição (OPA) da Centene à concorrente Wellcare estão num estado avançado. O negócio poderá ser oficializado já em abril, mas o valor ainda não é conhecido. A Centene afunda 7,57% para 50,70 dólares por ação, enquanto a Wellcare dispara 9,81% para 253,96 dólares por ação.

Os principais índices norte-americanos mantêm a tendência positiva e de recuperação do final da última sessão, que se seguiu a fortes quedas associadas a preocupações com a desaceleração económica.

A yield das Treasuries norte-americanas a 10 anos chegou a tocar valores inferiores ao juro dos Bilhetes do Tesouro a 3 meses pela primeira vez desde 2007, o que é visto pelo mercado como indicador de recessão. Esta quarta-feira, o juro da dívida soberana a 10 anos recua 5,12 pontos base para 2,37%, enquanto a yield dos títulos a três meses negoceiam nos 2,474%.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Redução do défice comercial norte-americano anima Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião