Rendas altas em Santo António? Preços dispararam 28,4% em Castro Marim

As rendas estão a ficar mais caras. Em Lisboa dispararam, havendo freguesias em que os aumentos chegaram a 27%. Mas o "campeão" das subidas não está na capital.

Comprar casa está cada vez mais caro, mas arrendar também. Enquanto os preços subiram mais de 10%, os valores exigidos no arrendamento aumentaram 9,3% no ano passado. Em Lisboa, a região mais cara para arrendar um apartamento, os preços registaram um agravamento expressivo, com várias freguesias a apresentarem variações de mais de 20%. Santo António lidera, mas só na capital. Castro Marim é o “campeão” nacional.

A vila raiana portuguesa pertencente ao Distrito de Faro, no Algarve, região caracterizada por forte presença estrangeira, registou o maior aumento percentual no valor das rendas, no ano passado. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), neste município que conta com menos de 7.000 habitantes, verificou-se um agravamento de 28,4%. O valor mediano das rendas passou de 4,86 para 6,24 euros por cada metro quadrado, entre 2017 e 2018.

O Algarve é a terceira região do país com maior proporção de novos contratos, a seguir ao Porto e a Lisboa, as duas mais caras do país. Com este forte aumento no valor do metro quadrado nos contratos de arrendamento, Castro Marim bateu a subida de 27,3% registada na freguesia alfacinha de Santo António.

A freguesia onde está localizada a Avenida da Liberdade, a rua mais cara do país, passou, com o forte aumento registado no ano passado, a ser mesmo a mais cara de todas, suplantando o Parque das Nações. O valor do metro quadrado disparou para 14,10 euros, elevando o custo de um arrendamento de um apartamento de 100 metros quadrados para uma média de 1.410 euros.

Todas as freguesias da capital registaram um forte aumento, levando o custo mediano no concelho a subir 16%. No Porto, o aumento foi idêntico, de 16%, levando a média nacional a aumentar 9,3% para 4,80 euros.

Lisboa é, de longe, o concelho mais caro, com um valor mediano de 11,60 euros por metro quadrado no arrendamento, no final do ano passado. Por contraponto, Belmonte continua a figurar na última posição. O concelho do distrito de Castelo Branco é o mais barato do país com um preço de 1,7 euros por metro quadrado. Lisboa bate Belmonte, com o valor das rendas a ser quase seis vezes superior.

Entre os dez municípios com as rendas mais baratas do país estão Vila Nova de Foz Côa, Sátão, Lamego, Celorico de Basto, Moimenta da Beira, Macedo de Cavaleiros, Valpaços, Oliveira do Hospital e Mortágua, todos com um valor máximo de renda de 2,36 euros por metro quadrado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rendas altas em Santo António? Preços dispararam 28,4% em Castro Marim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião