Carlos Costa deu aval a 857 milhões para offshores

  • ECO
  • 30 Março 2019

Governador do Banco de Portugal assinou pareceres favoráveis enquanto liderava a Direção Internacional do BCP, entre janeiro de 2000 e março de 2004, revela o Correio da Manhã.

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, deu pareceres favoráveis à concessão de empréstimos a 21 sociedades offshore controladas pelo BCP, enquanto liderava a Direção Internacional do mesmo banco, segundo revela este sábado o Correio da Manhã (acesso pago). No total, os créditos ascendem a mais de 857 milhões de euros.

Carlos Costa participou no processo de decisão que envolveu 17 offshores Cayman e quatro Goes Ferreira, que, sendo controladas pelo BCP, foram usadas para comprar ações do próprio banco. A desvalorização dos títulos levou a perdas na ordem das centenas de milhões de euros para o BCP. O CM escreve que as operações foram investigadas pelo Ministério Público, após uma queixa apresentada por Joe Berardo no final de 2007.

O processo levou à condenação dos administradores do BCP na altura, Jardim Gonçalves, Filipe Pinhal e António Rodrigues. O atul governador do Banco de Portugal foi ouvido como testemunha no processo, em 2012, tendo justificado os pareceres favoráveis (a crédito cuja única garantia de pagamento eram também ações do BCP) com base na confiança que tinha nas decisões tomadas pelos funcionários do BCP.

O CM contactou Carlos Costa sobre a posição adotada neste caso e sobre a a passagem pela administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), entre abril de 2004 e setembro de 2006. Fonte oficial do Banco de Portugal afirmou: “O processo relativo ao BCP é público e já foi apreciado na justiça, tendo transitado em julgado. Neste processo, o governador não foi alvo de qualquer acusação, tendo apenas sido ouvido como testemunha”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Costa deu aval a 857 milhões para offshores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião