Parlamento rejeita as 4 alternativas a acordo de Brexit de May

  • Lusa
  • 1 Abril 2019

Deputados dispuseram-se a votar as quatro opções selecionadas pelo presidente da Câmara dos Comuns, mas foram todas chumbadas.

Os deputados britânicos rejeitaram as quatro opções alternativas ao acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) concluído pela primeira-ministra, Theresa May, que já chumbaram três vezes.

As duas propostas que tinham obtido mais votos na primeira votação, na quarta-feira passada na Câmara dos Comuns, a realização de um referendo sobre qualquer acordo de divórcio concluído com Bruxelas e o estabelecimento de uma união aduaneira com a União Europeia (UE), foram rejeitadas com 292 votos contra e 280 a favor (uma diferença de 12 votos) e 276 votos contra e 273 a favor (uma diferença de apenas três votos), respetivamente.

A terceira proposta, de um modelo “Noruega +”, também conhecida como “Mercado Comum 2.0”, que previa a manutenção do Reino Unido no mercado único – o que seria sinónimo de liberdade de circulação de bens, capitais, serviços e pessoas, como na Noruega -, mas a isso acrescentando a exigência de uma união aduaneira específica com a UE, ou seja, de uma política aduaneira e comercial comum, também não obteve o apoio necessário dos deputados britânicos.

Apesar de as direções do Partido Trabalhista (245 deputados em 650) e do Partido Nacional Escocês (SNP – 35 deputados) terem apelado nesse sentido, esta opção foi chumbada, com 282 votos contra e 261 a favor (uma diferença de 21 votos).

A quarta e última opção submetida a votação, que propunha, em caso de ausência de acordo a dois dias do Brexit, que os deputados votassem a favor ou contra uma saída sem acordo (“no deal”) e, em caso de ganhar o contra, que desistissem de sair da UE, foi igualmente chumbada na Câmara dos Comuns, com 292 votos contra e 191 a favor (uma diferença de 101 votos).

Os deputados britânicos já tinham tentado assumir o controlo do processo de saída do Reino Unido da UE na semana passada, propondo soluções para ultrapassar o impasse em que o país se encontra, mas foi em vão: divididos quanto ao formato que deverá ter o divórcio do bloco comunitário, acabaram por votar contra os oito cenários em análise.

Após o adiamento do Brexit, inicialmente agendado para 29 de março, e para evitar uma saída sem acordo, os deputados dispuseram-se a votar as quatro opções selecionadas pelo presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, embora se tratasse apenas de “votações indicativas”, sem caráter vinculativo para o Governo da conservadora Theresa May.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento rejeita as 4 alternativas a acordo de Brexit de May

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião