Brexit: Riscos económicos de uma saída sem acordo são “geríveis”, diz BCE

  • Lusa
  • 1 Abril 2019

Uma saída sem acordo tem "riscos que são geríveis, mas estas fragilidades podem ter efeitos desfavoráveis se interagirem com os riscos que dizem respeito à zona euro", disse o vice-presidente do BCE.

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), De Guindos, considerou esta segunda-feira que os efeitos económicos de uma saída sem acordo do Reino Unido da União Europeia (UE) são “geríveis”, mas alertou que “os mercados não gostam desta possibilidade”.

“Um cenário de ‘no deal’ [não acordo] apresenta riscos que são geríveis, mas estas fragilidades podem ter efeitos desfavoráveis se interagirem com os riscos que dizem respeito à zona euro”, afirmou Luis De Guindos, que falava numa audição na comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas.

Segundo o responsável, as consequências poderão, assim, “ser geridas” já que “as várias instituições europeias já adotaram medidas com o objetivo de minimizar o impacto de uma saída sem acordo, que é o pior cenário possível”, ao mesmo que tempo que “o setor privado está preparado há seis meses para esta hipótese”.

Porém, Luis De Guindos ressalvou: “É algo que não podemos subestimar [porque] os mercados não gostam desta possibilidade”. Acresce que “um hard Brexit ainda não foi quantificado pelos mercados e poderá ser um potenciador da desaceleração da economia europeia”, notou Luis De Guindos, relacionando este processo com “riscos” como o abrandamento do comércio mundial.

“Podemos dizer que um Brexit sem acordo é algo que terá efeitos, não é irrelevante de todo”, adiantou. Luis De Guindos apontou ainda que “os resultados do Brexit contribuíram para incerteza nas políticas da UE”.

A Câmara dos Comuns realiza esta segunda-feira um dia de votações indicativas para estabelecer opções alternativas do Brexit, depois do acordo da primeira-ministra britânica, Theresa May, ter sido chumbado três vezes. O Reino Unido, que tinha previsto sair da UE em 29 de março passado, conseguiu um adiamento até 12 de abril próximo, para quando o Governo poderá pedir uma extensão maior, a fim de negociar possivelmente outro acordo, ou sair do bloco sem qualquer acordo.

Luis De Guindos falava naquela comissão parlamentar no âmbito da apresentação da atividade do BCE em 2018, tendo destacado que, no ano passado, foi possível alcançar “taxas de juro mais sólidas” na UE, bem como uma “estabilidade dos preços” e “condições de financiamento favoráveis” às empresas e às famílias.

A seu ver estão, contudo, por resolver questões como a conclusão da União Bancária, setor para o qual defendeu a existência de “mais bancos a funcionar em vários países”, assinalando que, recentemente, se registaram “alguns negócios entre Espanha e Portugal” nesse âmbito. “Na Europa, temos um setor bancário com muitos agentes e isto faz com que haja oferta em excesso, o que afeta a competitividade dos bancos, pelo que a consolidação do setor poderia permitir reduzir custos e aumentar a eficiência”, apontou Luis De Guindos.

Comentários ({{ total }})

Brexit: Riscos económicos de uma saída sem acordo são “geríveis”, diz BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião