Câmara de Lisboa quer tornar rede de elétricos da Carris em metro de superfície para chegar a Oeiras e Sacavém

Câmara Municipal de Lisboa vai transformar rede de elétricos da Carris em metro ligeiro de superfície, ligando-a, de um lado, a Miraflores e Oeiras e, do outro, à Portela e Sacavém.

A Câmara Municipal de Lisboa quer transformar a rede de elétricos atualmente oferecida pela Carris. Na apresentação do concurso público para a aquisição de 15 novos elétricos por um valor global de 50 milhões de euros, incluindo serviços de manutenção, Fernando Medina revelou que pretende que esta rede evolua para se transformar num metro à superfície, chegando também às populações de Oeiras, Miraflores, Linda-a-Velha, Portela e Sacavém.

“A nossa ambição é mais vasta. Queremos a capacidade de ter um sistema de metro de superfície que faça a colina desde Alcântara até Campus da Ajuda, Miraflores, fechando um anel na Cruz Quebrada, e uma outra linha até ao Parque das Nações e Sacavém“, avançou durante a conferência de imprensa.

“É um plano em quatro fases”, detalhou Fernando Medina já à margem do evento, em conversa com os jornalistas. “Em primeiro lugar, aumentar a atual linha de elétricos articulados na carreira 15. Numa segunda fase, alargar esta linha à Cruz Quebrada e Santa Apolónia”, explicou. Já a terceira fase, denominada de LIOS — Linha Intermodal Ocidental Sustentável — passará pela conjugação da rede de elétricos com a do metro de Lisboa.

“Passa por aproveitar a extensão da linha vermelha do Metro, às Amoreiras, Campo de Ourique, Alcântara e Santo Amaro. A partir desta ultima, arrancar com o metro de superfície que fará a encosta de Alcântara, pólo da Ajuda, continuando para Poente, até ao São Francisco Xavier, entrando em Oeiras, passando por Miraflores e Linda-a-Velha, até se juntar à rede na Cruz Quebrada“, referiu.

A quarta fase deste projeto, explicou ainda, partirá de Santa Apolónia, com a rede de elétricos (ou metro de superfície) da Carris a crescer a partir daí até ao Parque das Nações, entrando de seguida no município de Loures, até Sacavém e Portela, ficando esta extensão ligada ao metro “tradicional” na estação do Oriente.

Segundo Fernando Medina, os estudos para a terceira e quarta fase deste crescimento deverão ser lançados ainda este ano, de modo a que os procedimentos concursais para as empreitadas surjam ao longo de 2020. Em termos de financiamento, o presidente da CML explicou que a terceira fase será feita em articulação com o município de Oeiras, ao passo que a quarta fase “é tudo com Lisboa”. Já o reforço do material circulante para acompanhar este projeto será financiado parcialmente por fundos comunitários.

(Atualizado às 12h15 com mais declarações de Fernando Medina)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa quer tornar rede de elétricos da Carris em metro de superfície para chegar a Oeiras e Sacavém

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião