Há cada vez mais procura na área da saúde. Salários estão a subir

A par da crescente procura no setor da saúde, os salários estão a aumentar, ultrapassando, em alguns casos, os 100.000 euros brutos anuais. Recruta-se, sobretudo, para áreas comercial e de marketing.

O dinamismo no setor da saúde está a impulsionar a procura por perfis cada vez mais diferenciados, desde funções de marketing a funções comerciais, passando também por mais técnicas e de suporte. A par da crescente procura, os salários estão também a aumentar, ultrapassando, em alguns casos, os 100.000 euros brutos anuais.

De acordo com a consultora de recrutamento especializado Michael Page, o aumento da procura justifica-se, em grande parte, “pela expansão do setor privado”. Só no primeiro trimestre do ano, o recrutamento no setor de healthcare e life sciences em Portugal registou um crescimento de 63% em relação ao período homólogo, sendo que os perfis mais recrutados provêm das áreas comercial e marketing, seguidas de áreas mais técnicas, nomeadamente assuntos regulamentares, qualidade e departamento médico.

Por outro lado, também os salários estão a registar mudanças. Estão a escalar e, em alguns casos, a atingir os 130.00 euros de remuneração bruta anual. “Tem-se verificado uma maior capacidade negocial por partes dos candidatos, sendo que os salários das funções de marketing podem ir dos 21.000 euros aos 85.000 euros, das funções comerciais dos 17.000 euros aos 130.000 euros, nas funções médicas dos 28.000 euros aos 130.000 euros e nas funções mais técnicas e de suporte podem ir dos 21.000 euros aos 70.000 euros [valores brutos anuais]”, explica a Michael Page em comunicado.

Veja as quatro tabelas que dão conta dos salários mínimos e máximos de cada uma das funções em causa. Todas recebem acima do salário médio nacional, que ronda, atualmente, os 900 euros. É de salientar, ainda, que há diferenças entre a capital lisboeta e a cidade do Porto, sendo que Lisboa apresenta, várias vezes, um valor máximo superior ao verificado no Porto.

Os valores apresentados são referentes à remuneração anual bruta, sem bónus.Michael Page

Do lado dos empregadores, são valorizados, sobretudo, os candidatos licenciados em Ciências da Saúde e, também, em Gestão, sendo “cada vez mais reconhecida a importância das competências comportamentais face às competências técnicas”, reforça a Michael Page. Já quanto aos conhecimentos linguísticos, apesar de o inglês se manter como o idioma preferencial, o espanhol tem sido cada vez mais requisitado, sobretudo face às estruturas ibéricas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há cada vez mais procura na área da saúde. Salários estão a subir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião