Há consenso para manter corte da produção de petróleo por mais seis meses

  • Lusa
  • 3 Abril 2019

Ministro nigeriano do petróleo diz que a iniciativa da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) trouxe os preços para um nível confortável para os produtores e consumidores.

O ministro do petróleo da Nigéria, Emmanuel Kachikwu, disse hoje que há um consenso geral entre os países produtores de petróleo para o prolongamento do acordo de cortes na produção, “idealmente por mais seis meses”.

Em declarações aos jornalistas, à margem da conferência da Organização dos Produtores Africanos de Petróleo (APPO), que decorre em Malabo, capital da Guiné Equatorial, Emmanuel Kachikwu disse que a iniciativa da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) trouxe os preços para um nível confortável para os produtores e consumidores.

A Nigéria, o maior produtor da África subsaariana, está a produzir cerca de 1,7 milhões de barris por dia e 300 mil barris de óleo condensado, disse o ministro, que é também o atual presidente da APPO.

Em março, os países da OPEP e 10 outros produtores de petróleo defenderam que se espere pelo fim de junho para decidir sobre um eventual prolongamento do acordo sobre os cortes na produção decididos em dezembro passado.

No âmbito do acordo que entrou em vigor no passado dia 01 de janeiro, a OPEP e os países aliados comprometeram-se a retirar do mercado no primeiro semestre deste ano 1,2 milhões de barris por dia (800 mil por parte dos países da OPEP e 400 mil dos outros produtores).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há consenso para manter corte da produção de petróleo por mais seis meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião