Guerra aberta. Credores da Douro Litoral acusam Brisa de mentir para recuperar concessão

Credores prometem "tomar as medidas necessárias para proceder à retificação" dos registos ilícitos e falsos e batalhar "para assegurar que os procedimentos legais e a lei são respeitados em Portugal".

Os fundos de investimento que em janeiro tomaram o controlo da Auto-Estradas Douro Litoral (AEDL), ontem recuperada unilateralmente por decisão dos acionistas da Brisa, acusam a empresa e seus detentores de terem alegado “de forma dolosa e ilícita serem os acionistas e titulares dos direitos de voto da AEDL, utilizando esta falsidade para iludir à conservatória do Registo Comercial e obter o registo de um facto que sabem ser falso”.

A posição surge depois de esta quarta-feira a Brisa ter garantido que recuperou o controlo da Douro Litoral. Mas para os credores, liderados pelo hedgefund Strategic Value Partners, este avanço foi ilegal. E não são parcos nas palavras: “Através das ações levadas a cabo ontem, a Brisa procurou sobrepor-se à lei e aos tribunais, atuando sem qualquer respeito pela lei”, referem em comunicado.

Em causa está uma história que remonta a 2014, altura em que a AEDL, que tem a concessão de várias autoestradas na área metropolitana do Porto até 2034, entrou em incumprimento com uma série de obrigações de reembolso, juros, capital e comissões de contratos financeiros. Segundo os credores, desde então, a AEDL acumulou mais de mil milhões de euros em dívidas, razão pela qual optaram por tomar o controlo da mesma.

A Brisa considerou então esta atitude um “avanço hostil”, tendo tentado interpor várias providências cautelares para a travar. No entanto, e conforme noticiou o Jornal de Negócios em março, a Autoridade da Concorrência acabou por conceder o pedido da Strategic Value Partners e aceitou que os credores tomassem o controlo da AEDL.

"Através das ações levadas a cabo ontem, a Brisa procurou sobrepor-se à lei e aos tribunais, atuando sem qualquer respeito pela lei.”

Credores da AEDL

No comunicado desta quinta-feira, o grupo de credores lembra ainda que nos últimos meses “a Brisa tem requerido vários procedimentos cautelares de forma a inverter a apropriação das ações e a nomeação dos membros do Conselho de Administração da AEDL que produziram efeitos em janeiro. Contudo, nenhum Tribunal deu provimento até esta data aos pedidos formulados pela Brisa. Através das ações levadas a cabo ontem” a Brisa terá decidido então “sobrepor-se à lei e aos tribunais, atuando sem qualquer respeito pela lei”.

Os credores explicam ainda que só tomaram conhecimento dos “atos ilegais praticados pelos anteriores acionistas da AEDL” através dos media, e que apesar de a Brisa ter até nomeado novos órgãos sociais para a concessionária, os gestores nomeados em janeiro pelos fundos “continuarão a gerir a concessão conforme têm feito durante os últimos dois meses após a apropriação das ações, sem quaisquer disrupções e mantendo o elevado nível e qualidade do serviço público”.

Na quarta-feira, 3 de abril, a Brisa comunicou que realizou uma assembleia-geral com todos os acionistas (ou ex-acionistas) da AEDL, onde “foi tomada a decisão de repor em funções, com efeitos imediatos, os anteriores membros do Conselho de Administração” da empresa, “restabelecendo-se assim a situação de normalidade necessária ao adequado funcionamento da infraestrutura rodoviária concessionada”.

A companhia de Vasco de Mello apontou ainda que a decisão visou a “reposição da legalidade”, acusando a Strategic Value Partners de ter tomado o controlo da AEDL “ao arrepio das regras fixadas no Contrato de Concessão e nos Contratos de Financiamento” e de “forma desordenada”.

No mesmo comunicado, a Brisa respondeu também às acusações de incumprimento, garantindo que “sempre cumpriu” com rigor “todos os compromissos contratualmente assumidos”.

Além da Brisa, entre os acionistas da AEDL contam-se a Teixeira Duarte, Zagope, Alves Ribeiro, a Tâmega Engineering, a Brisa Gestão de Infraestruturas e a Brisa O&M.

(Notícia atualizada às 11h08)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra aberta. Credores da Douro Litoral acusam Brisa de mentir para recuperar concessão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião