Sede da EDP e Terminal de Cruzeiros são os prémios Valmor de 2017

  • Lusa
  • 11 Abril 2019

O Prémio Valmor de Arquitetura 2017 foi atribuído ao arquiteto Aires Mateus, pelo edifício sede da EDP, e ao arquiteto Carrilho da Graça, pelo terminal de cruzeiros.

O Prémio Valmor de Arquitetura 2017 foi esta quinta-feira atribuído ao arquiteto Aires Mateus, pelo edifício sede da EDP, e ao arquiteto Carrilho da Graça, pelo terminal de cruzeiros, anunciou a Câmara Municipal de Lisboa, responsável pela distinção.

A sede da EDP foi concebida como “um edifício que quis construir cidade, que quis dialogar com a cidade”, disse à Lusa Manuel Aires Mateus, considerando, por isso, que se trata de uma “distinção importante”. O edifício de terminal de cruzeiros foi pensado por João Luís Carrilho da Graça além da funcionalidade, “do ponto de vista da cidade e das pessoas”, uma preocupação materializada no parque urbano arborizado e na cobertura concebida para ser um “espaço público acessível”.

Além dos dois prémios, foram atribuídas quatro menções honrosas: a reabilitação do palácio de Santa Catarina, da arquiteta Maria Teresa Magalhães Nunes da Ponte, o Edifício Lisbon Stone Block, do arquiteto Alberto Souza Oliveira, a ampliação de um edifício de habitação em Alfama, do arquiteto Pedro Gameiro, e a requalificação do Largo de Santos e vias adjacentes, uma obra da Câmara concebida pelo ateliê 92 Arquitetos, de João Almeida e Luís Torgal, com o arquiteto paisagista Victor Beiramar Diniz.

“O que é muito interessante nos prémios Valmor é que é um prémio dado ao autor e ao promotor”, salientou Aires Mateus, que concebeu a sede da EDP, onde trabalham 750 pessoas, como um edifício “transparente e perpendicular entre a colina e o rio”. Trata-se de um “edifício que quer criar a primeira praça sombreada da cidade”, constituindo também “um espaço de arejamento da rua D. Luís”.

É uma tradição que vem desde o Bairro Alto, que foi claramente desenvolvida na cidade iluminista, com a Baixa, em que tudo são enfiamentos perpendiculares ao rio, exatamente para privilegiar essa relação entre a cidade e o rio. Agarrámos nesse princípio que a cidade sempre consagrou e transformámo-lo, numa escala com outra dimensão”, explicou à Lusa.

Carrilho da Graça encarou o “sítio bastante delicado” que é a frente ribeirinha em Alfama e propôs um “diálogo entre aquele espaço, que é como se fosse uma espécie de anfiteatro no edifício, concavo, e o grande anfiteatro que é Alfama a olhar para o rio”. “Desde o princípio pensei que o terminal poderia ter um programa funcional impecável — já teve um prémio pela sua funcionalidade –, mas, sendo parte da cidade, quis sempre pensá-lo do ponto de vista da cidade e das pessoas que cá vivem e visitam”, contou o arquiteto à Lusa.

Essa preocupação concretizou-se através do parque urbano arborizado ao longo do rio, que foi projetado com o arquiteto paisagista João Gomes da Silva, e também pela visita à cobertura do terminal, de onde se vê Alfama e o mar da Palha. A inovação nos materiais foi um produto das circunstâncias. Carrilho da Graça imaginou que o edifício teria “uma certa densidade, como se fosse, além de construído, esculpido”, e, com esse objetivo, pensou que as fachadas seriam em betão, mas os engenheiros comunicaram-lhe que o sistema de fundações, pré-existente ao concurso, estava no limite da capacidade de suporte.

Desta contrariedade, nasceu o betão com cortiça, desenvolvido com o apoio da SECIL, da Amorim, e do laboratório de engenharia de Coimbra ITECons, que tem “menos 40% de densidade e é um betão estrutural com grande capacidade de resistência”. Este é o quarto Valmor atribuído a Carrilho a Graça e o terceiro atribuído a Aires Mateus.

Aires Mateus já tinha recebido o prémio Valmor em 2002, pelo edifício da reitoria da Universidade Nova de Lisboa, em co-autoria, e em 2013, igualmente uma coautoria, pela cobertura da ETAR de Alcântara, e Carrilho da Graça recebeu a distinção em 1998, pelo Pavilhão do Conhecimento, bem como em 2008, pela Escola Superior de Música, e em 2010 pelo projeto de alteração de um edifício de habitação na calçada do Combro.

O júri que atribuiu o prémio Valmor de 2017 foi composto pela vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto (em representação do presidente da Câmara de Lisboa), pelo arquiteto Jorge Catarino (CML), arquiteto Alberto Souza Oliveira (personalidade convidada), arquiteto Francisco Berger (Academia Nacional de Belas Artes), arquiteto Chuva Gomes (Ordem dos Arquitetos) e arquiteto João Pardal Monteiro (Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa). O prémio Valmor é anual, mas houve “um atraso entre 2013 e 2016”, que está agora “a ser recuperado”, referiu à Lusa fonte oficial da autarquia.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Sede da EDP e Terminal de Cruzeiros são os prémios Valmor de 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião