Donos da Delta abrem-se às startups. Lançam desafio de inovação aberta

Grupo dono da Delta desafia startups nacionais e internacionais a contribuir com novas ideias para o seu modelo de inovação, com a criação do programa DisrUPtion.

Programa DisrUPtion, criado pelo grupo Nabeiro.D.R.

O grupo Nabeiro, dono da Delta, lançou um desafio ao ecossistema empreendedor. Através do seu Centro de Inovação — a Diverge — e, em parceria com a imatch, lançou o DisrUPtion, programa de inovação aberta que pretende promover o empreendedorismo além-fronteiras.

O desafio lançado a startups nacionais e internacionais tem como objetivo ajudar a desenvolver projetos de futuro e áreas estratégicas de negócio do grupo e, ao mesmo tempo, em ambiente real. É que as startups com soluções que se adaptem à cadeia de valor da empresa terão a oportunidade de trabalhar em parceria com o grupo Nabeiro.

“Encaramos o futuro com um espírito empreendedor, procurando ser um agente ativo enquanto impulsionador de ideias a nível nacional e internacional, fomentando a inovação em diferentes áreas de negócio e concretizando as próprias ideias das Startups, que acreditamos poderem ser fundamentais para o desenvolvimento económico do nosso negócio”, explica Rui Miguel Nabeiro, administrador do grupo Nabeiro – Delta Cafés, citado em comunicado.

O programa DisrUPtion está focado em áreas que ajudem ao crescimento da sustentabilidade da empresa, com especial atenção a “produto”, “impacto responsável”, “interação com o consumidor” e “novas experiências”.

As candidaturas decorrem até 29 de maio. A seleção é feita entre setembro e outubro em três sprints com a duração de três semanas cada. Depois, as startups selecionadas “farão um deep dive na cultura, valores e objetivos do grupo Nabeiro, trabalharão sobre os seus produtos e serviços em conjunto com os colaboradores da empresa, adaptando-os especificamente a esta realidade, e terão oportunidade de validar as soluções em ambiente real, com parceiros e clientes, para que de forma interativa, cheguem a um resultado que possa ser implementado no Grupo Nabeiro e que crie valor para o mercado”, explica a organização em comunicado. No final do programa, três das startups participantes vão poder participar “num evento de cariz internacional de empreendedorismo” para darem a conhecer o resultado final dos projetos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donos da Delta abrem-se às startups. Lançam desafio de inovação aberta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião