Risco da dívida portuguesa em mínimos de 11 meses

O spread entre o juro de Portugal a dez anos e o alemão caiu para o nível mais baixo desde maio de 2018. Na dívida a quatro anos, a yield é já negativa.

Há quase um ano que os investidores não estavam tão confiantes sobre Portugal. O risco-país, medido através do spread entre o juro da dívida portuguesa a dez anos e da alemã com o mesmo prazo, caiu esta sexta-feira para mínimos de 11 meses. Já a yield das Obrigações do Tesouro (OT) a quatro anos negoceiam desde esta quinta-feira em terreno negativo, o que nunca tinha acontecido.

A yield dos títulos benchmark portugueses avança 1,7 pontos base para 1,149% em mercado secundário, em linha com a tendência europeia de subidas ligeiras nos juros da dívida. Ainda assim, continua próxima dos mínimos históricos tocados na última sessão: 1,124%.

Nas últimas semanas, Portugal tem renovado mínimos históricos nos juros da dívida não só no mercado secundário como nas emissões de nova dívida. Ainda na quarta-feira, o Tesouro conseguiu 600 milhões de euros em OT a dez anos num leilão duplo, em que pagou a taxa mais baixa de sempre, de apenas 1,143%. Além das subidas no rating do país, incluindo na sexta-feira do outlook pela DBRS, o país tem beneficiado da política expansionista do Banco Central Europeu (BCE).

Portugal continua a beneficiar da descida que as taxas da dívida soberana europeia têm tido, com as taxas a 10 anos da dívida soberana alemã em terreno ligeiramente negativo“, explicou na altura Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa. “Continuamos a tirar partido da política que tem vindo a ser levada pelo BCE de manter as taxas de juro baixas, com vista a poderem estimular mais a economia e levarem a inflação para o objetivo dos 2%”.

O juro das Bunds alemãs a dez anos avançam esta sexta-feira 4,6 pontos base para 0,037%. O spread entre a yield pedida pelos investidores a Portugal e à Alemanha caiu, assim, para 110 pontos base, o valor mais baixo desde 15 de maio de 2018. Já face a Espanha (cujo juro está em 1,028%), o spread está em apenas 10,6 pontos base, depois de se ter situado em sete pontos, no mês passado.

A tendência de queda nos juros portugueses não é só nos títulos a dez anos. As OT a quatro anos negoceia esta sexta-feira em -0,026% depois de ter entrado pela primeira vez em terreno negativo na última sessão. A cinco anos, os títulos aproximam-se também de zero, negociando em apenas 0,11%.

Risco-país continua a cair

Fonte: Reuters

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Risco da dívida portuguesa em mínimos de 11 meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião