Angola aproxima-se das regras da Organização Mundial do Comércio

  • Lusa
  • 13 Abril 2019

A ratificação do compromisso relativo ao Acordo sobre a Facilitação do Comércio da OMC tem como objetivo aumentar os fluxos globais de exportações e eliminar barreiras administrativas.

Angola ratificou, em Genebra (Suíça), o compromisso relativo ao Acordo sobre a Facilitação do Comércio da Organização Mundial do Comércio (OMC), ferramenta que vai aproximar o país das regras definidas por aquela instituição, noticia este sábado a imprensa angolana.

O compromisso tem como objetivo aumentar os fluxos globais de exportações, eliminar barreiras administrativas e procedimentos que dificultam as trocas comerciais a todos os níveis.

Segundo a edição deste sábado do Jornal de Angola, que cita um comunicado do Ministério do Comércio angolano, o documento foi assinado pelo Presidente de Angola, João Lourenço, e levado a Genebra pelo diretor nacional do gabinete do Comércio Externo, Lukonde Luansi.

O acordo assinado vai beneficiar particularmente as Pequenas e Médias Empresas (PME), melhorar o nível de competitividade, promover os investimentos em geral e reduzir o tempo necessário para importar e exportar.

No quadro da OMC, a facilitação do comércio serve para simplificar e uniformizar os procedimentos comerciais e aduaneiros, bem como difundir informações relativas às importações e exportações de mercadorias.

Neste contexto, os membros da OMC clarificaram e reforçaram o Acordo Geral sobre as Tarifas Aduaneiras e o Comércio (GATT), aprovadas na 9.ª Conferência Ministerial da OMC, realizada em 2013, em Bali (Indonésia).

Segundo dados da OMC, o acordo tem a capacidade de fomentar o comércio internacional em mais de 950.000 milhões de dólares (780.000 milhões de euros) e criar 20 milhões de novos empregos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angola aproxima-se das regras da Organização Mundial do Comércio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião