Rock ‘n’ Law: este ano o apoio vai para os idosos

"Juntos para combater o abandono e cuidar dos nossos idosos" é o mote para o Rock 'n' Law deste ano, a realizar em outubro. Candidaturas podem ser apresentadas até 3 de maio.

O Rock ‘n’ Law já tem escolhida a causa que irá apoiar este ano, naquela que será a sua 11ª edição. “Juntos para combater o abandono e cuidar dos nossos idosos” é o mote do evento que juntará vários escritórios de advogados no palco, distribuídos por várias bandas e cujos donativos irão para uma associação de apoio a idosos. As associações interessadas deverão entregar as candidaturas até dia 3 de maio.

A decisão resulta da escolha do comité de causas — que reuniu no final de março — e que conta com elementos de todas as sociedades de advogados envolvidas na iniciativa. Comité que é o primeiro a reunir e dar o pontapé de saída na organização do evento.

Segundo o balanço oficial da última edição do Rock ‘n’ Law –– a décima edição do festival, que uniu nove bandas de 14 escritórios de advogados por uma causa: a luta contra o cancro em outubro do ano passado — no total, e feitas as contas, foram 112 mil e 300 euros de donativo para o projeto ‘Casa Segura’, da Associação Portuguesa de Luta contra a Leucemia. Numa festa que contou com 2.265 pessoas na Arena do Campo Pequeno, em Lisboa, na noite de 26 de outubro. No total foram ainda 32 os patrocinadores e contou com a Advocatus como media partner.

O valor mais alto que até aqui tinha sido conseguido pelo RnL de entrega direta a instituições de solidariedade social foi de 74 mil euros.

O projeto de solidariedade “Casa Porto Seguro”, da Associação Portuguesa Contra a Leucemia, permite a doentes deslocados e com carência económica ficar num local seguro, onde terão todo o apoio de que precisarem durante o período de tratamentos necessários à recuperação.

“Foi uma edição de recordes. No número de pessoas que foram ao evento, no valor de patrocínios de empresas que conseguimos alcançar, no número de seguidores que temos nas redes sociais a acompanharem as histórias de vida que temos contado. A consequência de tudo isso é também o maior donativo líquido de sempre para uma Causa: 110 mil euros. Tínhamos um objetivo mínimo de 70 mil pelo que, com a ajuda de todos, as expectativas foram amplamente superadas. Não podíamos ter comemorado melhor esta década”, disse, à Advocatus, em outubro, o coordenador do Rnl, Francisco Proença de Carvalho, sócio da Uría Menéndez – Proença de Carvalho e baterista de um das bandas que esteve no evento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rock ‘n’ Law: este ano o apoio vai para os idosos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião