10 anos de Rock ‘n’ Law: advogados falam do projeto

Bernardo Diniz de Ayala e Francisco Proença de Carvalho contam à Advocatus como tudo começou. Evento será a 26 de outubro e donativos vão para a luta contra o cancro.

A próxima edição do Rock ‘n’ Law — que decorre a 26 de Outubro, na arena do Campo Pequeno, em Lisboa — assinala os 10 anos da iniciativa sem fins lucrativos que visa angariar fundos para projetos de solidariedade. Um evento que junta nove bandas em palco, compostas só por advogados e em que as receitas, este ano, terão como destino a Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APLC).

Uma ideia original do atual sócio da Uría Menéndez – Proença de Carvalho (UMPC), António Villacampa, e que se concretizou, há nove anos, com Duarte Brito de Goes (primeiro coordenador do projeto e atual sócio da Campos Ferreira, Sá Carneiro & Associados) e com o “bom espírito de sete escritórios de advogados” que na altura se aventuraram na iniciativa, segundo explicou um dos coordenadores ao longo destas nove edições, Bernardo Diniz de Ayala, sócio da UMPC. Francisco Proença de Carvalho, também sócio da UMPC e que coordena o evento pelo sexto ano consecutivo, conta que “esta década é um marco, significa festejar e significa podermos mostrar à sociedade que com um coisa tão simples e divertida, conseguimos angariar bem mais de 500 mil euros para causas sociais meritórias”.

O valor arrecadado através dos donativos (https://www.rocknlaw.pt/) será utilizado para a construção da casa “Porto Seguro”, em Lisboa, pensada para assegurar alojamento a doentes que têm de se deslocar para fazer tratamentos, bem como os respetivos familiares.

Ao todo, serão nove as bandas de advogados a tocar no evento que ao longo dos últimos nove anos já juntou mais de 500 mil euros. No total, a edição deste ano conta com a colaboração da Abreu Advogados; CMS Rui Pena & Arnaut; Cuatrecasas, Gonçalves Pereira; DLA Piper ABBC; FCB & Associados; Garrigues; Gomez-Acebo & Pombo; Linklaters; Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados; PLMJ; Sérvulo & Associados; SRS Advogados; Uría Menéndez – Proença de Carvalho e Vieira de Almeida.

Em vídeo, à Advocatus, os dois advogados contam como tudo começou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

10 anos de Rock ‘n’ Law: advogados falam do projeto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião