Governo lança três linhas de financiamento aos transportes

  • ECO
  • 16 Abril 2019

As três linhas de financiamento que serão lançadas pelo Governo terão um valor total de 1,15 milhões de euros, sendo a maior parte destinada ao transporte flexível nas zonas com menos população.

O Governo vai lançar esta terça-feira três linhas de financiamento para apoio nos transportes num valor total de 1,15 milhões de euros. De acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago), a maior parte desse montante será destinado ao transporte flexível nas zonas de menor densidade populacional.

As três linhas de financiamento são provenientes do Fundo para o Serviço Público de Transportes e apoiam projetos com 75% do valor a fundo perdido. “É importante haver uma parcela do investimento suportada pelos candidatos, para garantir que se trata de projetos prioritários”, referiu àquele jornal José Mendes, secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade.

Para implementar este transporte flexível estão destinados 500 mil euros, nomeadamente para projetos de desenvolvimento de aplicações ou plataformas eletrónicas, para gestão dos pedidos neste tipo de transporte.

Como explicou José Mendes, o objetivo passa por uma gestão mais eficaz e uma maior qualidade no serviço de transporte a pedido “seja com miniautocarros municipais seja com táxis”. Um tipo de transporte que tem grande importância nas zonas com menos população e sem uma rede de transportes públicos. “Confiamos que estas três linhas de financiamento vão apoiar projetos de pequena e média dimensão e que serão esgotadas muito rapidamente”.

A segunda linha de financiamento, avaliada em 300 mil euros, será destinada ao desenvolvimento de sistemas de informação ao público e à assessoria técnica e ações de formação. A terceira linha, de 350 mil euros, visa preparar as autarquias para o lançamento dos concursos que terão de ser realizados este ano devido ao fim do período transitório do regulamento europeu em matéria de transporte público de passageiros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo lança três linhas de financiamento aos transportes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião