À procura de combustível? Estas são as bombas que vão ser reabastecidas em Lisboa

Pelo menos, sete bombas na capital serão reabastecidas esta tarde. O presidente do SNMMP já adiantou que postos serão estes.

A corrida aos combustíveis está instalada nos postos de abastecimento um pouco por todo o país face à greve dos motoristas de matérias perigosas. Para garantir os serviços mínimos acordados com o Governo, o sindicato já avisou serão reabastecidas várias bombas em Lisboa, durante esta quarta-feira. A carga já vai a caminho, garantiu o presidente Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) em declarações à SIC Notícias.

Os postos de abastecimento que serão reabastecidos são:

  • O posto da BP no Restelo;
  • O posto da Galp no Aeroporto de Lisboa;
  • O posto da Galp de Odivelas;
  • O posto da Galp nos Olivais;
  • O posto da Repsol em Alcoitão;
  • O posto da Repsol em Benfica;
  • O posto da Prio em Oeiras;
  • O posto da Prio na Damaia;
  • O posto da Prio em Ranholas, junto à A16.

Segundo o dirigente do SNMMP, este reabastecimento deverá ser o suficiente para assegurar os serviços mínimos negociados com o Executivo e ao qual os profissionais estão obrigados face à requisição civil.

Em causa está uma greve nacional que começou às 00h00 de segunda-feira e que se deverá estender por tempo indeterminado. Os motoristas de matérias perigosas exigem o reconhecimento da sua categoria profissional.

Entretanto, o sindicato já esteve reunido com o Governo, mas conseguiu-se apenas garantir o cumprimento dos serviços mínimos, que estavam a ser violados. Por isso mesmo, o Executivo já tinha avançado com uma requisição civil, na terça-feira de manhã. As reuniões com os sindicatos vão ser, entretanto, retomadas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

À procura de combustível? Estas são as bombas que vão ser reabastecidas em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião