Parlamento mantém em vigor decreto lei das sociedades de investimento e gestão imobiliária

Bloco, PCP e Os Verdes apresentaram esta terça-feira propostas para a cessação de vigência do diploma das sociedades de investimento e gestão imobiliária. Todas foram chumbadas.

O regime das sociedades de investimento e gestão imobiliária (SIGI) continua em vigor. As três propostas dos partidos à esquerda para a cessação de vigência do decreto-lei do Governo foram chumbadas esta quarta-feira pelo PS, PSD e CDS.

PCP, Os Verdes e Bloco de Esquerda deram entrada no Parlamento com pedidos de cessação de vigência do decreto-lei que o Governo aprovou no início do ano. No caso das duas primeiras propostas, PS, PSD e CDS votaram contra e o PAN absteve-se, enquanto no caso do último projeto, o PSD também se absteve.

A votação seguiu-se a fortes críticas ao diploma por parte dos partidos à esquerda. A deputada bloquista Mariana Mortágua acusou esta terça-feira o Governo de tentar “passar este novo regime pela calada, sem passar pelo Parlamento”, considerando a situação “inaceitável”. As críticas dos vários partidos focam-se em que o diploma não incentiva o arrendamento de longo prazo.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, rejeitou as acusações, defendendo que o objeto social das SIGI é de direitos de propriedade ou direitos reais de gozo com fim de exploração económica. “É uma limitação que está bem clara no diploma. O que também diz é que têm de ser detidos pelo menos três anos. O que procuramos é fomentar que haja um mercado de exploração económica, o que é exatamente o contrário da especulação imobiliária”, afirmou.

Queremos que o mercado tenha mais oferta para que os preços a possam acompanhar inversamente”, disse Mendonça Mendes. Acrescentou que o regime fiscal já existia para as sociedades de investimento imobiliário, que assegura que a tributação seja feita à saída e é complementado pela distribuição anual de rendimentos para assegurar a constância da receita fiscal. “Não há nada que o Governo queira esconder”, frisou.

As SIGI estão previstas na lei portuguesa desde dia 1 de fevereiro, depois de o decreto-lei ter sido aprovado pelo Governo e homologado pelo Presidente da República a 23 de janeiros. Para que possam operar no mercado português, são obrigados a ter um capital social mínimo de cinco milhões de euros, para além de outros requisitos impostos no diploma. Têm de ser cotadas em bolsa, ter 20% do capital nas mãos de pequenos aforradores, distribuir 90% dos lucros em dividendos e ter uma dívida inferior a 60% do valor do ativo total, por exemplo.

O objetivo principal é a aquisição de direitos de propriedade, de direitos de superfície ou de outros direitos com conteúdo equivalente sobre bens imóveis, para arrendamento ou para outras formas de exploração económica. Além do arrendamento, podem explorar outras atividades, incluindo “o desenvolvimento de projetos de construção e de reabilitação de imóveis” e a “sua afetação à utilização de loja ou espaço em centro comercial, ou utilização de espaço em escritórios”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento mantém em vigor decreto lei das sociedades de investimento e gestão imobiliária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião