Número de desempregados nos centros de emprego cai 15% em março

  • Lusa
  • 22 Abril 2019

A descida do desemprego foi transversal a todas as regiões do país. Alentejo, Norte e Lisboa e Vale do Tejo foram, contudo, as regiões onde o desemprego mais recuou.

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego foi em março de 333.776, uma descida homóloga de 15,1% e um recuo de 2,6% face a fevereiro, divulgou esta segunda-feira o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). Em março, havia menos 59.559 pessoas sem trabalho do que no mesmo mês de 2018.

Para esta descida homóloga contribuíram todos os grupos de desempregados, “com destaque para os homens”, adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos, os que se encontravam inscritos há um ano ou mais nos centros de emprego, os que procuravam um novo emprego e os menos qualificados (com habilitações escolares equivalentes ao 1.º ciclo básico).

Entre os desempregados inscritos com menos de 25 anos, em março, o IEFP registou 35.207 casos, o que corresponde a menos 7.052 do que o número contabilizado em março de 2018. Já relativamente aos desempregados de longa duração — que têm esta classificação por estarem sem trabalho há pelo menos 12 meses –, a queda homóloga foi de 23,1%, havendo agora 144.884 pessoas nesta situação.

A descida do desemprego foi transversal a todas as regiões do país, mas revelou-se mais acentuada no Alentejo (em que a quebra homóloga foi de 17,7%), Norte (-17%) e Lisboa e Vale do Tejo (-16,4%). Já o Algarve foi a região em que o desemprego menos caiu, tendo recuado apenas 1,4%.

Os dados de março mantêm a tendência de redução iniciada em fevereiro. No mês passado ocorreu uma inversão na tendência de subida mensal que estava a registar-se desde outubro de 2018 e que fez com que no primeiro mês deste ano o número de desempregados inscritos tivesse subido para os 359.772, sendo este o valor mais elevado desde maio de 2018.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de desempregados nos centros de emprego cai 15% em março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião