Marcelo sobre crise dos combustíveis: “Incapacidade de previsão e reajustamento deixam espaço para movimentos inorgânicos”

  • ECO
  • 23 Abril 2019

Presidente da República voltou a alertar para os riscos de movimentos inorgânicos, em relação à greve dos motoristas de matérias perigosas. Já tinha usado as mesmas palavras sobre os enfermeiros.

Os protestos dos motoristas de matérias perigosas que levou, na semana passada, a uma crise nos combustíveis, resulta da “sindicalização de movimentos inorgânicos” e de “sindicalismo dito independente”, considera o Presidente da República. Em entrevista à RTP3, Marcelo Rebelo de Sousa associa esta greve a populismos.

“Salvo erro, a 5 de outubro de 2016, repetindo ao de leve a 25 de abril de 2017, e já não ao de leve em 25 de abril de 2018, chamei a atenção para os vazios, as incapacidades de previsão e de reajustamento que deixam espaço livre para movimentos inorgânicos, que uns chamam populistas e outros chamam outras coisas, e que iriam surgir para preencher essa realidade”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, na entrevista que será transmitida na íntegra esta terça-feira à noite, na RTP3.

“Há já algum tempo começou a haver fenómenos de sindicalismo dito independente, circunscrito a áreas ou nichos muito limitados”, referiu, acrescentando que “o que há de novo aqui são dois fenómenos diferentes: movimentos inorgânicos e noutros casos constituição de novos sindicatos e novas atuações que veem da sindicalização de movimentos inorgânicos ou que respondem a processos mais lentos que culminaram em organização sindical”.

Marcelo tinha já alertado para este tema noutras ocasiões. Em novembro do ano passado, defendeu que a sustentabilidade dos sistemas sociais, económicos e políticos estáveis depende de “consensos” difíceis de alcançar numa democracia jovem. Considerou ainda que há democracias clássicas em crise por conta da revolução digital e movimentos inorgânicos à margem dos partidos clássicos, o que “está a tornar-se um problema”.

Em relação à greve dos enfermeiros, usou as mesmas palavras e alertou também para os riscos. Para o Chefe de Estado um dos maiores problemas da sociedade portuguesa, neste momento, são “os fenómenos inorgânicos no plano sindical, laboral e a dificuldade de enquadramento pelas estruturas clássicas”. “Isso preocupa-me muito”, reconheceu Marcelo Rebelo de Sousa, em fevereiro. “A maioria das greves foi declarada por sindicatos que não estão integrados nem na na CGTP nem na UGT”, frisou de modo ilustrativo.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo sobre crise dos combustíveis: “Incapacidade de previsão e reajustamento deixam espaço para movimentos inorgânicos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião