PSD acusa Vítor Constâncio de mentir na comissão à Caixa Geral de Depósitos

Antigo governador do BdP disse não ter memória de qualquer carta a alertar para a concessão de crédito no banco. António de Sousa diz que foi o próprio que o avisou.

O PSD acusou Vítor Constâncio, antigo governador do Banco de Portugal, de ter mentido na sua audição na Comissão Parlamentar de Inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos. Em causa está uma carta enviada pelo ex-administrador do banco público, Almerindo Marques, com alertas sobre alegadas irregularidades na política de concessão de crédito.

“O meu entendimento e do PSD é que Vítor Constâncio mentiu”, afirmou o deputado social-democrata Duarte Marques na comissão, pedindo que fosse avaliada a hipótese de voltar a chamar o antigo governador ao Parlamento.

A audição desta terça-feira de manhã foi de António de Sousa, presidente do Conselho de Administração da CGD entre 2000 e 2004, e sobre a qual recaem as críticas de Almerindo Marques. O ex-administrador acusava a administração de não ser rigorosa na concessão de crédito e, antes de se demitir em 2002, transmitiu estes alertas por cartas ao Banco de Portugal (então liderado por Vítor Constâncio), ao Ministério das Finanças (Guilherme d’Oliveira Martins) e até ao Presidente da República (Jorge Sampaio).

António de Sousa explicou que soube da existência da carta, apesar de nunca a ter visto fisicamente, porque lhe foi dada a conhecer tanto por Oliveira Martins como por Constâncio, com quem tinha “contactos frequentes”. Mas nem a carta nem a conversa terão, no entanto, ficado na memória de Vítor Constâncio.

É que, na mesma comissão a 29 de março, Constâncio tinha sido questionado sobre as cartas e respondeu apenas: “Não me lembro”. Face às acusações de Duarte Marques sobre o antigo governador do BdP, António de Sousa sublinhou que não dizia que sabia responder se era mentira ou não o que Vítor Constâncio havia dito, mas que se recordava de a conversa ter acontecido. “Não foi uma reunião sobre o assunto, mas no meio de uma reunião, contou-me sobre a carta”, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD acusa Vítor Constâncio de mentir na comissão à Caixa Geral de Depósitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião