António Costa não se demite mas deixa ultimato. Aprovação final da lei faz cair o Governo

Costa fica, mas avisa que, se lei for aprovada em votação final global, Governo demite-se. Primeiro-ministro fala em rotura irreparável entre contas públicas e devolução de rendimentos.

António Costa não se demitiu esta sexta-feira, depois de o PS ter colocado em cima da mesa o cenário de demissão e de o primeiro-ministro ter estado reunido com o Presidente da República. Para já o cenário mais grave fica afastado, mas o chefe do Executivo deixa um ultimato. A queda do Governo acontece se a lei for aprovada.

Na declaração ao país, António Costa fala sobre o facto de as medidas adotadas até agora terem sempre a preocupação de não comprometer o caminho alcançado e os resultados orçamentais.

Costa diz ainda que a recuperação do tempo decorrido nas carreiras dos professores não fazia parte dos programas eleitorais. O chefe do Governo fez uma cronologia dos factos da polémica em torno da contagem do tempo de serviço dos professores e das carreiras especiais. Diz que houve “intransigência sindical”.

O primeiro-ministro adiantou que são “mais 340 milhões de euros entre este ano e o próximo para pagamento de retroativos” se a nova lei for aprovada. A aplicação em 2019 implica “necessariamente” um Orçamento Retificativo. O alargamento a outras carreiras implicaria um gasto permanente de 800 milhões de euros.

Depois de elencar as razões orçamentais para não avançar com esta proposta, o primeiro-ministro afirmou que “qualquer uma destas consequências compromete a governabilidade presente e condiciona de forma inadmissível a governação futura, em termos que só o eleitorado tem legitimidade para determinar”.

A aprovação em votação final global desta iniciativa constituirá uma “rotura irreparável com o compromisso de equilíbrio entre a recuperação de rendimentos e direitos com a consolidação das contas públicas e compromete a credibilidade internacional de Portugal”, disse ainda.

“Nestas condições entendi ser meu dever de lealdade institucional informar suas excelências, o Presidente da República e o Presidente da Assembleia da República que a aprovação em votação final global desta iniciativa parlamentar forçará o Governo a apresentar a sua demissão”.

Apesar do ultimato, António Costa nega que esteja a pressionar os partidos (PSD, CDS, BE e PCP) para mudar de posição.

Não estou a fazer nem chantagem, nem a fazer ultimatos. Acho que é meu dever de lealdade falar com clareza aos portugueses”, disse, justificando a decisão de dar tempo para que o Parlamento altere a sua posição face à votação de quinta-feira.

Questionado sobre os motivos que o levaram a alterar a sua posição, o chefe do Governo adiantou que não mudou de ideias. “Entendo que os atos institucionais têm as suas formalidades. Era porventura fácil apresentar hoje a demissão. O que me parece que é responsável fazer, a tempo e horas, sem dúvidas para ninguém, é saber quais são as consequências que terá a votação final global daquilo que foi ontem aprovado na comissão”.

(Notícia atualizada)

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa não se demite mas deixa ultimato. Aprovação final da lei faz cair o Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião