Centeno. BE e PCP deixaram-se ultrapassar pela direita. Partidos colocam “manhosamente” despesa no futuro

O ministro das Finanças diz que a decisão dos partidos de aprovar a contagem integral do tempo de serviço foi irresponsável e coloca "manhosamente" despesa no futuro.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse esta sexta-feira que a esquerda se deixou ultrapassar pela direita para aprovar algo irresponsável e que não estava nas posições comuns assinadas entre o Governo e o Bloco de Esquerda e o PCP. Mário Centeno acusou os partidos de esconderem o impacto da aprovação da contagem integral do tempo de serviço e de colocarem “manhosamente” esta despesa no futuro.

“O que a esquerda fez foi abster-se em boa parte do diploma para deixar passar. De certa forma, o que ontem vimos foi a esquerda desviar-se e deixar-se ultrapassar pela direita e apresentar algo que não estava nas nossas posições comuns”, afirmou o ministro numa entrevista à SIC.

Arrisco até a dizer que o [José] Mourinho e o [Pep] Guardiola, quando treinavam o Real Madrid e o Barcelona, discutiam mais as táticas das suas equipas que aqueles partidos discutiram a educação em Portugal no seu conjunto. Não têm nada a ver uns com os outros.

Mário Centeno

Ministro das Finanças

Mário Centeno disse que o que se viu na reunião de ontem, onde as propostas foram aprovadas na especialidade, foi que os “partidos não tinham preparado o trabalho que tinham para fazer na comissão de Educação” e que acabaram por aprovar uma proposta “de tal maneira irresponsável que esconde a despesa, que manhosamente coloca no futuro e uma discussão que se colocaria todos os anos com elevadíssimo custo na escola pública”.

O ministro foi mais longe e acusou os partidos de “taticismo total e absoluto” e de, depois, tentar “esconder durante todo o dia de hoje de forma absolutamente extraordinária os impacto” das propostas, que aprovaram “sem cuidar do futuro dos portugueses, sem cuidar sequer do futuro da carreira dos professores”.

“Arrisco até a dizer que o [José] Mourinho e o [Pep] Guardiola, quando treinavam o Real Madrid e o Barcelona, discutiam mais as táticas das suas equipas que aqueles partidos discutiram a educação em Portugal no seu conjunto. Não têm nada a ver uns com os outros“, disse.

Sobre o impacto nas contas públicas, Mário Centeno contradisse as afirmações dos vários responsáveis partidários e disse que esta aprovação vai ter impacto no défice deste ano, mesmo que o pagamento seja feito apenas em 2020, porque é assumido um compromisso para este ano, em alusão à forma como se calcula o défice na ótica da contabilidade nacional (a que conta para Bruxelas).

“O défice deste ano na versão que existe e foi aprovada na comissão de Educação tem um impacto orçamental claríssimo adicional de 200 milhões de euros no saldo orçamental de 2019, porque é assumido um compromisso desde 1 de janeiro de 2019, mesmo que ele não possa ser satisfeito, ou seja pago, coisa que não está prevista no diploma. O diploma não tem nenhum faseamento”, explicou.

Mário Centeno lembrou ainda que a condicionalidade que existia nas propostas dos partidos da direita, mas que desapareceu na versão final.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno. BE e PCP deixaram-se ultrapassar pela direita. Partidos colocam “manhosamente” despesa no futuro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião