Investir nas obrigações do Benfica? Um guia com 10 respostas

Os investidores de retalho podem a partir desta sexta-feira adquirir títulos de dívida do clube que procura 25 milhões de euros de financiamento, dispondo-se a pagar um juro de 3,75%.

A Benfica SAD arranca esta sexta-feira com uma emissão de obrigações. O objetivo passa por angariar pelo menos 25 milhões de euros junto dos investidores de retalho, com o clube a “piscar o olho” a detentores de uma emissão mais antiga no sentido de trocarem de títulos. Paga uma taxa de juro anual de 3,75% na oferta de subscrição, e em simultâneo realiza uma operação de troca que lhe permite estender a maturidade da dívida e baixar o respetivo custo.

“A oferta pública de troca “visa tornar mais eficiente a subscrição de Obrigações Benfica SAD 2019-2022 por parte de titulares de Obrigações Benfica SAD 2017-2020 e, consequentemente, permitir à Benfica SAD substituir parte da sua dívida com vencimento em 2020 por dívida com vencimento em 2022″, especifica o prospeto da dupla oferta.

Para quem esteja a ponderar investir nessa nova emissão ou trocar os títulos de dívida do clube que tem em mãos há um conjunto de elementos que devem ser tidos em conta. O ECO compilou em 10 perguntas e 10 respostas os aspetos mais importantes associados a qualquer das operações propostas.

1- Quando é possível subscrever?

Os investidores que pretendam participar na Oferta Pública de Subscrição (OPS) da SAD do Benfica podem fazê-lo entre as 8h30 desta sexta-feira, 3 de maio, e as 15h00 de 16 de maio. Em paralelo, decorre uma operação de troca de dívida antiga por títulos desta nova emissão.

2- O que está a ser oferecido?

Em causa está uma emissão de obrigações para o retalho com maturidade em 20 de maio de 2022 — denominada Benfica SAD 2019-2022 — com uma oferta global inicial de 25 milhões de euros.

Em simultâneo, o Benfica realiza uma oferta de troca de obrigações visando substituir antigos títulos de dívida emitidos em 2017 e que vencem no próximo ano, por títulos desta nova emissão. O alvo da troca são as Obrigações Benfica SAD 2919-2022. Esta oferta pública de troca é voluntária para os investidores.

3- Quais as condições da oferta?

As novas obrigações para o retalho a emitir têm maturidade a 20 de maio de 2022 (três anos), sendo que cada título tem um valor unitário de cinco euros. Cada investidor terá de aplicar no mínimo 100 euros, ou seja, comprar no mínimo 20 obrigações, sendo que a partir desse montante as ordens devem ser expressas em múltiplos de cinco euros (uma obrigação). Em contrapartida, o investidor receberá um juro bruto anual de 3,75% que será liquidado semestralmente, com pagamento a 21 de maio e 21 de novembro de cada ano.

Remuneração é atrativa?

As obrigações disponibilizadas esta sexta-feira aos investidores têm associado o pagamento de uma taxa de juro bruta de 3,75% ao ano. As obrigações soberanas nacionais, para um prazo também de três anos, são negociadas no mercado secundário com uma yield negativa de 0,214%. Ou seja, a remuneração oferecida pelo Benfica é bastante mais atrativa. Contudo, não deve ser o único aspeto a ponderar na avaliação da operação. Deve ser considerada a relação de troca de títulos no caso de ser essa a opção, bem como o perfil de risco associado ao oferente: a SAD do Benfica.

5- Quais os principais riscos?

No prospeto são salientados diversos riscos associados à oferta de subscrição. O risco de perda de metade do capital social é um deles, sendo salientado que o ” emitente e oferente teve várias oscilações nos capitais próprios, podendo tal vir a ocorrer também no futuro”. No exercício de 2016/2017, a SAD contava com capitais próprios inferiores a metade do seu capital social. Esta situação não é, contudo, exclusiva ao Benfica. Outras empresas cotadas na bolsa de Lisboa enfrentam cenários similares.

O facto de a atividade da SAD estar dependente da participação nas competições desportivas nacionais e internacionais de futebol profissional também é destacado, a par da sua dependência dos rendimentos e gastos com transações de jogadores de futebol, e de estar sujeito à execução do contrato de cessão dos direitos de transmissão televisiva dos jogos em casa da Equipa A de Futebol Sénior da Benfica SAD para a Liga NOS, bem como dos direitos de transmissão e distribuição do Canal Benfica TV. Não são ainda esquecidos os riscos associados ao processo “e-toupeira” que ainda se encontra em curso.

O emitente está ainda sujeito a riscos conjunturais económicos e financeiros, a nível nacional e internacional, risco de taxa de juro de financiamentos a taxa variável ou relacionados com a própria Oferta Pública de Troca que acontece em paralelo.

6- Quais as condições das propostas de troca?

No que respeita à proposta de troca de dívida, o alvo é uma emissão realizada em 2017 que conta com uma taxa de juro de 4%. Aquilo que a SAD benfiquista propõe é uma relação de troca de um para um. Ou seja, “a cada Obrigação Benfica SAD 2017-2020 corresponderá, a título de contrapartida, uma Obrigação Benfica SAD 2019-2022 com o valor nominal unitário de cinco euros”, sendo que acresce um “prémio em numerário no valor de dois cêntimos e meio de euro (correspondentes a 0,50% do valor nominal unitário)”, explica o clube.

7- Vale a pena trocar dívida antiga pela nova?

Aquilo que está a ser proposto é a troca de uma emissão obrigacionista que vence no próximo ano, por outra com um prazo que termina dois anos depois. A taxa de juro oferecida na nova operação — 3,75% — é mais baixa do que a da emissão antiga –4%. Contudo, é oferecido um prémio de 2,5 cêntimos por título, pago em numerário.

“À valorização de 5,025 euros, com referência à data de liquidação, corresponde, para o período entre esta data de liquidação e a data de maturidade das Obrigações Benfica SAD 2017-2020, uma taxa de rentabilidade para as Obrigações Benfica SAD 2017-2020 de 3,38%“, refere o prospeto.

Já “cada Obrigação Benfica SAD 2019-2022, ao seu valor nominal unitário de cinco euros, tem associada uma taxa de rentabilidade de 3,75% para o período entre a data de liquidação (21 de maio de 2019) e a data de reembolso (20 de maio de 2022)”, é ainda explicado.

“A contrapartida oferecida tem assim implícito um diferencial positivo entre as taxas de rentabilidade (TANB) das Obrigações Benfica SAD 2019-2022 e das Obrigações Benfica SAD 2017-2020 de 0,37% (3,75% — 3,38%), sendo a maturidade das Obrigações Benfica SAD 2019-2022 superior à das Obrigações Benfica SAD 2017-2020 (24 de abril de 2020)”, é assim concretizado.

8- Cancelar a subscrição. Até quando?

O dia 16 de maio é a última oportunidade para os investidores poderem revogar ou alterar as ordens de compra dadas. Ou seja, a partir desse dia as ordens tornam-se irrevogáveis.

9- O que acontece se a procura superar a oferta?

Antes de mais, o prospeto da oferta do clube da Luz prevê que possa aumentar o montante de obrigações a emitir caso o nível de procura o justifique. Se for essa a opção, o emitente terá que o fazer até ao dia 14 de maio, inclusive. Para além disso, caso o volume de ordens seja superior ao montante máximo da operação, à semelhança do que acontece com outras operações do género, haverá lugar a rateio.

10- Quando é conhecido o resultado da operação?

Os investidores ficarão a saber quantas obrigações lhes couberam a 17 de maio, dia em que são apurados os resultados da oferta. Os novos títulos de dívida devem ser admitidos à negociação dois dias depois. Ou seja, a 21 de maio.

Comentários ({{ total }})

Investir nas obrigações do Benfica? Um guia com 10 respostas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião