Mansão irlandesa que hospedou estrelas (e filmes) de Hollywood está à venda por 28 milhões de euros

Hospedou Mick Jagger, Michael Jackson e Bono. Foi cenário de gravações de séries como "Vikings" e filmes como "PS I Love You". A mansão, perto de Dublin, procura agora comprador.

Localizada no Condado de Wicklow, na Irlanda, há uma mansão com mais de 800 mil metros quadrados à procura de comprador. Inserida numa área de dois hectares, a Luggala Lodge é atrativa pela sua arquitetura histórica, pela beleza dos seus jardins, mas também pelas personalidades que por lá passaram. Tudo isso conta para avaliar a mansão em 31,4 milhões de dólares (28 milhões de euros).

É considerada uma fantasia do século XVIII, inserida numa área de dois hectares no Condado de Wicklow, a menos de 30 quilómetros de Dublin. Nasceu em 1787 como um pavilhão de caça, edificada pela família de bancários La Touche. Em 1937 foi comprada por Ernest Guinness — de uma família de aristocratas, famosa por ter fundado a cerveja sueca Guinness Beer — que a ofereceu de casamento à filha. Em 1970, esta acabou por oferecê-la ao filho. Atualmente pertence a uma família de confiança, lê-se no anúncio publicado no site da imobiliária Sotheby’s International Realty.

Luggala Lodge, no Condado de Wicklow, está à venda por 28 milhões de euros.Sotheby's International Realty

Em 1996, esta propriedade com 1.802 metros quadrados sofreu obras profundas no valor de seis milhões de euros e, atualmente, está à procura de um novo dono, disposto a desembolsar 28 milhões de euros.

O imóvel principal conta com três salas de boas-vindas e outras menores, sete quartos e cinco casas de banho completas. Na parte de guestlodge há ainda outros quatro quartos que se somam a outros 16 inseridos nas sete pousadas que constituem a propriedade. Há ainda um extenso espaço verde — onde normalmente existem veados –, com acesso a um lago privado (Lough Tay), inserido numa praia de areia branca.

Esta requintada casa do século XVIII é uma “marca especial do gótico” desse século, ostentando “todos os pertences de um grande castelo”, embora em menor escala. E foram todas estas características que, ao longo dos últimos anos, atraíram bastantes personalidades: escritores como Brendan Behan, Robert Lowell, Seamus Heaney e Robert Graves, atores e diretores como John Hurt, Dennis Hopper e John Boorman e ainda músicos como The Chieftains, Mick Jagger, Marianne Faithfull, Bono e Michael Jackson.

O Lugalla Lodge serviu ainda de cenário para filmagens de vários filmes, como Sinful Davey, Zardoz, Excalibur, King Arthur, Braveheart, Animal Farm, Becoming Jane, P.S. I Love You, e séries como Camelot, The Tudors and Vikings.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mansão irlandesa que hospedou estrelas (e filmes) de Hollywood está à venda por 28 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião