FNAC compra PC Clinic. Mas tem mais negócios em mira

  • ECO
  • 6 Maio 2019

A FNAC comprou a PC Clinic, que está atualmente presente em quase todas as suas lojas. Em negociações está ainda a compra de uma empresa de produtos naturais e bem-estar.

A FNAC Portugal comprou a PC Clinic, especialista na reparação de equipamentos eletrónicos, naquela que é a primeira aquisição da empresa no país. A relação entre ambas não é novidade, uma vez que a PC Clinic já existe em 27 das 30 lojas Fnac. O valor do investimento não é conhecido.

A notícia foi avançada pela própria FNAC esta segunda-feira que, em comunicado, sublinha o objetivo de “completar a extensa oferta de produtos”, “permitindo dar o suporte necessário à descoberta da tecnologia”, e aumentar o portefólio.

“Esta aquisição surge na prossecução do nosso plano estratégico Confiança+, que o Grupo FNAC Darty tem vindo a implementar desde dezembro de 2017, e visa o desenvolvimento e reforço da nossa oferta de serviços aos nossos clientes com o intuito de lhes suportar e facilitar a experiência produto num mundo cada vez mais tecnológico“, refere Nuno Luz, diretor-geral da FNAC Portugal, citado no documento.

A PC Clinic, fundada em 2004, foi pioneira na assistência informática no país e, atualmente, oferece assistência em 27 das 30 lojas FNAC, para além das 12 lojas próprias. No total são mais de 250 colaboradores especializados em marcas como Apple, Microsoft ou Samsung.

Esta operação faz parte da forte expansão que o grupo francês está a levar a cabo. Recentemente assinou um acordo para a aquisição de uma participação maioritária na WeFix, líder francesa em reparações express de smartphones.

A estratégia passa ainda por diversificar a oferta do produto, estando em negociações exclusivas para a aquisição da Nature & Découvertes, líder retalhista do setor de produtos naturais e de bem-estar.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FNAC compra PC Clinic. Mas tem mais negócios em mira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião