CGD tinha “imparidades que não estavam reconhecidas”

  • Lusa
  • 7 Maio 2019

José Cunha Pereira, ex-diretor de supervisão do BdP, reconheceu a existência de uma inspeção à CGD que apurou imparidades que não estavam reconhecidas e provisões que não tinham sido feitas.

O ex-diretor de supervisão do Banco de Portugal (BdP) José Cunha Pereira disse no Parlamento que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) tinha “imparidades que não estavam reconhecidas”.

José Cunha Pereira, diretor de supervisão do BdP entre 2009 e 2010, afirmou na sua audição na comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da CGD que uma inspeção feita à Caixa em 2010 “foi espoletada porque se teve conhecimento de créditos que não eram pagos, que eram renovados, de empréstimos com pagamento apenas de juros”.

“Dessa inspeção, verificou-se que havia imparidades que não estavam reconhecidas, e que havia também provisões que não estavam feitas”, acrescentou José Cunha Pereira em resposta ao deputado do PS João Paulo Correia que tinha citado documentos do Banco de Portugal que demonstram que o supervisor tinha conhecimento de situações irregulares. Entre essas situações, o deputado do PS referiu um relatório de 2010 que mencionava 3.000 milhões de euros em crédito garantido por títulos, coberto por 198 milhões de provisões.

O documento refere “critérios pouco prudentes” no cálculo de imparidades, decisões que “raramente” tinham parecer favorável da direção de gestão de risco da CGD, casos em que “a situação económico-financeira dos clientes” se encontrava “desatualizada” e ainda o cumprimento do serviço de dívida de mutuários “com o produto dos dividendos das ações recebidas”.

“Tanto quanto sei, houve depois uma interação com a Caixa, com o departamento de supervisão, no sentido de algumas dessas deficiências serem resolvidas, e acho que disso resultou o aumento do reconhecimento de imparidades”, respondeu José Cunha Pereira, explicando que esta informação foi um “feedback“, que recebeu, pois “quando foi finalizado o relatório já não estava no departamento de supervisão”.

O antigo responsável pelo departamento de supervisão do Banco de Portugal disse ainda, em resposta ao deputado do PCP Duarte Alves, que apenas quando entrou em funções, em 2009, se começou “a sentir que era necessário ter uma ideia das imparidades, nomeadamente dos créditos por ações, e que era necessário fazer uma inspeção nessa área”. A inspeção estava inicialmente “apontada para 2010 e por dificuldade de recursos humanos iniciou-se no final de 2010 e em 2011”.

José Cunha Pereira referiu ainda que no final de 2009 “o departamento de supervisão” do BdP “era um monstro”, e que por isso encetou medidas para “autonomizar o enforcement [sancionamento]”, de forma a “aumentar a pressão e a força da supervisão” e torná-la “mais intrusiva”.

Também presente nesta audição esteve Carlos Eduardo Santos, diretor de supervisão do Banco de Portugal entre 2000 e 2008, que respondeu que não se lembrava, que não tinha “memória” dos acontecimentos questionados pelos deputados, e que não tinha tomado conhecimento da auditoria da EY à CGD.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD tinha “imparidades que não estavam reconhecidas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião